sexta-feira, abril 19, 2019
Home > Destaque > PF e Conselho Tutelar alertam pais para fake news de ataques a escolas

PF e Conselho Tutelar alertam pais para fake news de ataques a escolas

Depois do massacre ocorrido em uma escola pública em Suzano, São Paulo, no dia 13 deste mês, ameaças de ataques dominaram as redes sociais, preocupando pais de alunos em Pernambuco. Nas últimas duas semanas, pelo menos três escolas (em Paulista, Caruaru e Petrolina) e uma universidade (a Unicap, no Recife) tiveram a rotina alterada por conta de postagens suspeitas. Em Abreu e Lima, uma estudante acabou esfaqueando um colega.

Nesta terça-feira, uma escola da Zona Sul do Recife reforçou a segurança depois que um adolescente de 14 anos escreveu mensagens como: “minha sanidade mental não existe mais, existe apenas uma linha tênue entre outro massacre escolar e uma esperança frágil de que as coisas que eu quero que aconteça venham a acontecer”.

O momento é de atenção, mas também de mais calma, recomenda o chefe de comunicação da Polícia Federal, Rodrigo Santoro. Entrevistado por Hugo Esteves e André Estanislau no programa Balanço Geral da TV Clube, ele disse que é importante os pais acompanharem a rotina dos filhos até nas redes sociais, uma vez que eles podem ser responsabilizados. E destacou a gravidade em relação à divulgação de fake news relativas a atentados em escolas.

“Espalhar fake news sobre esses casos é crime, pois além de gerar pânico, também é uma falsa denúncia e acaba acionando a polícia e o Conselho Tutelar. Mas também é bom ressaltar que internet não é terra de ninguém, essas pessoas podem ser facilmente identificadas e a polícia irá tomar as devidas providências”, explicou.

“Menores de 12 anos que cometem o crime não podem ser presos, mas eles têm um representante legal que acaba se responsabilizando por isso. No entanto, os que já tiverem com 17 anos já podem cumprir uma medida socioeducativa até que passem por uma consulta psicológica e seja entendido que já podem ser reintegrados à sociedade”.

Também presentes no programa, os conselheiros tutelares Cláudia Moura e Cícero Delhny, de Olinda e Paulista, também falaram sobre a punição prevista para este tipo de infração. “É responsabilidade dos pais saber o que os filhos estão fazendo, usando e acompanhando na internet. Se algo for descoberto, devem acionar o 190 para que a polícia, em conjunto com o conselho tutelar, tome as devidas providências”.

Em relação à escola da Zona Sul do Recife, o aluno que fez as ameaças, um novato, não foi à aula nesta terça-feira. Os pais darão depoimento à polícia. “Todo mundo fica aperreado com as coisas loucas que está acontecendo nesse país, os nossos filhos estão expostos e são coisas que podem acontecer aqui, no shopping e vários outros lugares”, contou a mãe de um dos estudantes.

O massacre de Suzano, na manhã do dia 13 de março, resultou na morte de 10 pessoas e outras 11 ficaram feridas. A escola foi reaberta nesta terça-feira. No muro da instituição um grafite homenageou as vítimas.

Fonte: OP9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *