terça-feira, novembro 20, 2018
Home > Olinda > Mulher é confundida com travesti e é espancada em Olinda

Mulher é confundida com travesti e é espancada em Olinda

Agressões começaram depois que a vítima brincou com uma amiga. Ela estava numa festa e levou socos e chutes de homens que estavam no local

Uma mulher foi espancada após ter sido confundida com uma travesti durante uma festa neste fim de semana. Janaína Maria da Silva contou à polícia que estava numa festa, em um clube na Avenida Presidente Kennedy, quando sentou no colo de uma amiga. Um rapaz desferiu um soco na mulher depois que o pai dele – esposo da amiga da vítima – repreendeu a brincadeira. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Peixinhos, em Olinda, no Grande Recife.

Janaína Maria, que trabalha como vigilante, disse que, depois de ter sofrido a agressão tentou revidar, mas não conseguiu e recebeu mais socos e pontapés. “Ele deu um murro na minha cara, quando eu me levantei, fui para cima dele para perguntar o porquê dele ter me batido. Eu fui e bati nele, ele desviou e deu outro murro em mim. Quando eu estava no chão, comecei a levar um monte de pisada”, relembrou a vítima.

A mulher treina em uma academia de musculação há 10 anos e suspeita que isso teria levantado suspeitas que ela seria uma travesti. Janaína Maria acredita que isso teria motivado as agressões, que posteriormente tomou maiores proporções. A vigilante relatou à polícia que pelo menos outros quatro homens participaram do ataque.

Eu pensava que ia morrer, era muita gente em cima de mim. Eu só escutei o povo dizendo que eu era um travesti e que tinha que me agredir mesmo. Me levantei atordoada com muitos caras em cima de mim.

Vigilante vítima da agressão

Com o registro do Boletim de Ocorrência, a Polícia Civil vai tentar identificar os agressores para que prestem esclarecimentos. Tanto o esposo da amiga de Janaína quanto o filho dele, além de pelo menos outros quatro suspeitos, serão ouvidos. O local onde estava acontecendo a festa também deverá dar explicações para saber se o evento tinha equipes de segurança que poderiam dar assistência à vítima.

Fonte: OP9

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *