sábado, Fevereiro 24, 2018
Home > Sem Categoria > Greve dos gráficos dificulta impressão de jornais em Pernambuco

Greve dos gráficos dificulta impressão de jornais em Pernambuco

Os principais jornais em circulação em Pernambuco tiveram dificuldades para veicular as notícias neste sábado (5), em decorrência da paralisação dos gráficos. Em nota, o Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Gráficas de Pernambuco (Sindgraf-PE) divulgou que a greve foi decretada desde a última sexta-feira (4), motivada por divergências na negociação da campanha salarial com o Sindicato das Indústrias Gráficas, que representa jornais impressos e gráficas comercias do Estado.

O proprietário de uma banca de revistas, Filinto de Melo, situada no bairro do Espinheiro, no Recife, afirmou que alguns jornais chegaram normalmente. “Os jornais Diário de Pernambuco, Aqui PE e Folha de Pernambuco chegaram. Só ficou faltando o Jornal do Commercio. Chegou muita gente procurando, inclusive assinantes que não tinham recebido o jornal em casa”, conta.

De acordo com o presidente do Sindgraf-PE, Iraquitan Silva, a maior divergência é relacionada à questão salarial. “A gente está em campanha salarial e a proposta que o patronato coloca não dá para os trabalhadores aceitarem. Assim que o sindicato paralisou as atividades, entrei em contato com o sindicato patronal que me informou que os jornais não estão abertos a negociação”, declarou.

O Sindgraf-PE pede um aumento salarial de 15% em cima do piso de R$ 944, pago aos profissionais que trabalham nos jornais, e no de R$ 718, pago aos trabalhadores que atuam em gráficas, contra a proposta de 7,3%, apresentada pelo sindicato patronal. Os profissionais também querem participação nos lucros das empresas.

A paralisação foi uma surpresa para o presidente do Sindicato das Indústrias Gráficas, Valdézio Figueiredo. “Nós havíamos sentado para conversar durante a semana com eles e dentro da pauta a gente pediu que fossem retiradas algumas cláusulas e que eles apresentassem, na cláusula econômica, um valor mais pautável, que pudesse ser negociado”, afirmou.

Do G1 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *