segunda-feira, dezembro 10, 2018
Home > Internet > Cidade nos Estados Unidos é a primeira a banir mineração de criptomoedas

Cidade nos Estados Unidos é a primeira a banir mineração de criptomoedas

A cidade norte-americana de Plattsburgh é o primeiro município a banir a mineração de criptomoedas. Segundo informações do Gizmodo, o conselho da cidade aprovou uma moratória de 18 meses que proíbe, temporariamente, as moedas virtuais até o governo decidir como controlar a energia utilizada pelos mineradores.

Em geral, o processo de mineração demanda de servidores que, por sua vez, precisam de muita energia elétrica. Por conta disso, aqueles que estão interessados em mineração de moedas virtuais acabam procurando locais onde o custo da energia seja baixo.

O conselho de Plattsburgh se reuniu, discutiu o problema de energia na cidade e decidiu que nenhuma nova operação de mineração será permitida nos próximos 18 meses. No entanto, as operações existentes não serão afetadas pela moratória.

O prefeito, Colin Read, afirma que a cidade tem a “eletricidade mais barata do mundo” graças à sua proximidade com uma represa hidrelétrica. A média dos custos de eletricidade nos Estados Unidos é de apenas 10 centavos por kilowatt-hora. Já em Plattsburgh o custo é de 4,5 centavos por kilowatt-hora, mas a cidade chega a oferecer benefícios para a indústria, com uma taxa de 2 centavos por kilowatt-hora.

A cidade recebe 104 megawatts-hora de eletricidade por mês e, caso exceda essa parcela, precisa comprar mais. Em janeiro de 2018, Plattsburgh usou muita eletricidade e as contas para todos na cidade subiram, em alguns casos, entre US$ 100 e US$ 200.

A Comissão de Serviço Público do Estado concluiu que o aumento nos gastos de energia foi causado pelas duas empresas de criptografia que estão instaladas no local. A maior operação, que foi da Coinmint, usou cerca de 10% do poder da cidade em janeiro e fevereiro.

Os legisladores locais planejam manter as operações de mineração que já estão presentes e aproveitar a moratória para ganhar tempo enquanto apresentam uma solução permanente.

Fonte: Olhar Digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *