“O povo de PE está lascado”, diz deputado da oposição

Edilson Silva PSOL_Informe-PE

Os deputados integrantes da bancada da oposição da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) deixaram claro, nesta segunda-feira (3), o tom que será usado neste segundo semestre na Casa Legislativa. Com cobranças e críticas à gestão do governo estadual, parlamentares garantiram que a atuação será mais dura. Além disso, o deputado estadual Edílson Silva (Psol) fez questão de dizer, em pleno Plenário, que “o povo pernambucano está lascado”, em virtude da situação atual.

De acordo com o líder da aposição na Alepe, deputado Sílvio Costa Filho (PTB), o debate eleitoreiro visando 2016 ficará de lado e não pautará a atuação do colegiado. “Vamos evitar ao máximo o debate eleitoreiro para não contaminar. Esse ano o nosso foco é cobrar ao governo do Estado os compromissos e não eleitoralizar, pois sabemos que há ainda R$ 54 milhões de resto a pagar (da gestão estadual) e até agora só foram investidos apenas 5% do FEM nos municípios”, denunciou.

O petebista também elogiou a existência de parceria entre o ex-governador Eduardo Campos e o ex-presidente Lula e pediu reconhecimento. “A parceria de Eduardo com o Lula foi muito benéfica para Pernambuco, mas hoje nossa preocupação é com a saúde do custeio. Nós sabemos que o ex-governador Eduardo Campos, uma das primeiras ações dele foi cuidar do calendário dos servidores e hoje, depois de quase nove anos, tivemos este calendário alterado e todos foram pegos de surpresa”, criticou.

Em resposta ao discurso de Sílvio Costa, o líder do governo na Alepe, Waldemar Borges (PSB) garantiu que sempre foi reconhecida a parceria com Lula, no entanto, alegou que a conjuntura atual é diferente. “Gostaríamos que não existisse essa relação Governo Federal x Governo Estadual e que fosse diferente. Em nenhum momento não deixamos de conhecer a parceria com Lula, mas a conjuntura não permite fazer”, avaliou explicando ainda que em sete meses é difícil fazer uma “grande obra” como cobrou a oposição anteriormente. 

No discurso de Edílson Silva, ele trouxe algumas problemáticas na saúde como a falta de medicamento no Hospital Oswaldo Cruz, algumas paralisações como a dos policiais civis e uma inusitada licitação do Governo do Estado para compra de gelo. “Fui surpreendido no Diário Oficial, onde o governo do Estado faz um pregão para comprar gelo. A conta foi fechada com quase R$ 35 mil. Se esse orçamento for para um ano, isso significa que irão gastar R$ 100 reais de gelo por dia no Palácio. Não é o valor não, é a simbologia que passa. Como é que o povo é chamado a fazer sacrifício? será que o Palácio não pode fazer esse sacrifício?”, questiona o parlamentar, comparando a licitação com a mudança no pagamento do servidor.

Para o deputado, “é necessário que o governo abra as contas”. Ele ainda ironizou a licitação do Estado. “Se gasta 35 mil por ano com gelo, quanto gasta com uísque?”, e traçou um perfil econômico negativo de Pernambuco. “O governo não pode ficar aqui brigando. Estou aqui para defender o povo do Estado de Pernambuco e é esse povo que está lascado, está ferrado. Por favor, base do governo traga soluções, traga um bom debate. Abram as contas do Estado, sejam transparentes, como estão gastando R$ 100 milhões com publicidade? questionou o parlamentar.

Para Edílson Sílvia as críticas ao governo estadual e federal é uma “retórica contundente que não resolve os problemas, nem coloca remédios nos hospitais”. Ele também ironizou às justificativas de Borges sobre os recursos federais. “A bancada governo vem toda vez dizer: olha, o problema está em Brasília, então vamos transportar essa bancada para Brasília”, zombou o parlamentar.

Fonte: Portal LeiaJá

Compartilhe essa notícia:

Alepe homenageia a Bienal

Assembleia Legislativa de Pernambuco antecipa as comemorações de vinte anos da Bienal Internacional do Livro com sessão solene no dia 05 de agosto, às 18h, atendendo proposição da Deputada Estadual Teresa Leitão, presidente da Comissão de Educação e Cultura, e acatada por todos representantes da Casa Joaquim Nabuco, na Boa Vista. Uma iniciativa que reconhece o evento como um importante agente transformador no processo de ampliação do conhecimento e saber, através da cultura e da leitura. Pela sua força e importância neste sentido, provocou inclusive estímulos políticos para o público docente, especialmente da rede municipal do Recife que podem adquirir livros novos a cada edição com o incentivo do Bônus Bienal (Lei nº 17.912/2013).

Projetada já internacionalmente em diversas outras ações, a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco ainda figura como um dos principais acontecimentos do calendário do Estado, através da Lei Estadual nº 14.536/ 2011, e se configura como um dos três maiores e mais significativos eventos literários do país em um cenário que hoje congrega cerca de 300 iniciativas deste segmento. Convidamos assim de todos que tem contribuído para a ampliação deste saber a prestigiar este momento na Assembleia Legislativa de Pernambuco – Casa Joaquim Nabuco, à Rua da União, 439, Boa Vista.

Compartilhe essa notícia:

Debate na Alepe consolida legalidade da destinação de verba pública para mídias alternativas

ablogpe10

Proposta que institui a política estadual de incentivo às mídias locais, regionais e produtores de conteúdo de mídias digitais foi debatido em Audiência Pública da Comissão de Justiça da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (16). De autoria do Deputado Ricardo Costa (PMDB), o Projeto de Lei nº 2.164/2014 prevê a destinação do percentual não inferior a 5% da receita anual de publicidade dos três Poderes de Pernambuco às mídias alternativas, para divulgação de obras, anúncios, editais, programas, serviços e campanhas.

Presidente da Associação dos Blogueiros do Estado de Pernambuco (AblogPE), Lissandro Nascimento chamou a atenção para o papel da tecnologia na sociedade e cobrou a democratização da comunicação: “Não podemos ficar à mercê de oligopólios e grandes corporações midiáticas, que manipulam informações em favor de interesses políticos e econômicos”, salientou. Sobre a constitucionalidade do Projeto ele foi taxativo: “Este PL detém plena legalidade na medida em que democratiza a destinação de recursos públicos já existentes nos orçamentos dos Poderes, sem criar despesas, pelo contrário, assegura a economicidade do destino publicitário destes recursos. Além do mais busca o reconhecimento do Poder Público pernambucano a estas novas mídias que são estimuladoras da cidadania, a exemplo do que já acontece no Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro”, argumentou Lissandro. 

O presidente da Associação das Emissoras de Rádio e Televisão, Cléo Niceas, se declarou favorável ao projeto de lei. “Contudo, acredito que o investimento deve estar relacionado à competência de cada mídia em se vender. Estabelecer um percentual é ferir a livre concorrência”, pontuou. O jornalista Ivan Moraes Filho, do Centro de Cultura Luiz Freire, destacou que o projeto não é sobre o mercado, mas sobre um direito humano. Ele ressaltou o papel dos blogs no Interior do Estado. “As grandes mídias não têm dado conta de informar essas cidades”, lembrou. A proposta também foi defendida por representantes do Sinttel, além das associações de rádios comunitárias e integrantes do Fórum Pernambucano da Comunicação (Fopecom), acompanhados por dezenas de blogueiros. “A nossa proposta é institucionalizar as relações entre a mídia digital e o Poder Público, inibindo a promiscuidade da destinação destes recursos”, salientou Lúcio Cabral, vice-presidente da AblogPE.

Segundo o deputado Sílvio Costa Filho (PTB), talvez a Casa não tenha competência jurídica para propor o projeto, por se tratar de matéria financeira. “Sugiro que trabalhemos de forma conjunta para aprovar a proposta”, destacou. “Precisamos estimular o trabalho que vem sendo realizado com competência por esses veículos de comunicação. O projeto não criará nova despesa. O objetivo é apenas mudar a distribuição do recurso”, afirmou Ricardo Costa. Presidente da Comissão, a deputada Raquel Lyra (PSB) avaliou a proposta como democratizante, mas que precisa ser melhor avaliada do ponto de vista da constitucionalidade. 

O Advogado da AblogPE, Jairo Medeiros, contestou nesta Audiência o que considera um equívoco da interpretação do Projeto: “Se fosse para criar despesa ficaria configurado a intromissão entre os Poderes. Não é o caso! O que cabe interpretar na proposta é a condução do destino destas verbas dentro de um orçamento público já autorizado pelo próprio Legislativo”, ensinou. Em pleno acordo com o parecer jurídico de Medeiros, o Dep. Tony Gel (PMDB) sentenciou que o projeto das mídias detém plena legalidade.

Ao final, Ricardo Costa se comprometeu em ampliar o debate com os representantes do Governo do Estado durante o período em que a Alepe entrará em recesso, além de solicitar um parecer jurídico mais completo junto à Procuradoria da Casa Joaquim Nabuco a fim de avançar na tramitação do PL 2164 neste próximo semestre.

Conheça o PL na íntegra clique AQUI.

Compartilhe essa notícia:

Deputada cobra explicações ao Estado sobre destino de verba federal para requalificar BR-101

Foto: Cecília Sá Pereira/divulgação.Lançando mão de informações disponíveis no Portal da Transparência do Governo Federal, a deputada Priscila Krause (DEM) subiu à tribuna da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), nesta segunda-feira (15), para cobrar esclarecimentos à gestão estadual sobre o destino de uma verba de R$ 125,6 milhões repassadas pela União para o projeto de requalificação da BR-101.

Segundo a democrata, o recurso “repousa” nos cofres estaduais desde dezembro de 2012. Em sua fala, Priscila questionou se o dinheiro não utilizado será devolvido aos cofres federais agora que o trecho estadual da BR-101 passará a ser gerida pela iniciativa privada.

“Em meio à crise toda de falta de recursos, parece inadmissível aceitar que Pernambuco tenha mais de cento e vinte cinco milhões em caixa para ajeitar a BR-101 há quase trinta meses sem nada ter sido feito. Pior ainda é admitir que esse dinheiro poderá voltar aos cofres federais. É preciso que o governo de Pernambuco explique porque não investiu e qual o destino dessa verba. São milhares de cidadãos que sofrem com a falta de qualidade da BR-101 no entorno do Recife e que, como eu, tem o direito de entender porque a verba pública está parada na conta”, criticou Priscila.

O montante foi liberado pelo governo federal (Ministério dos Transportes) especificamente no dia 31 de dezembro de 2012 e representa 69% do valor referente à participação da administração federal no convênio (de nº 673434) em prol da reestruturação de 30,7 quilômetros da BR-101, trecho entre Jaboatão (Cajueiro Seco) e Abreu e Lima. Da parte do governo estadual, dos R$ 41 milhões da contrapartida nenhum real foi liberado.

Priscila também lembrou que o governo estadual prometeu lançar novo processo licitatório para a obra da reestruturação da BR-101 na Região Metropolitana do Recife no início de maio, mas até agora nenhuma novidade foi concretizada.

Compartilhe essa notícia:

Ricardo Costa: junto com o artista e a cultura popular

Dep. Ricardo Costa audiênciaAconteceu na manhã da última quarta (10), no anexo da Assembleia Legislativa, audiência pública solicitada pelo deputado Ricardo Costa (PMDB) e convocada pela presidente da Comissão de Constituição, Legislação e Justiça, Raquel Lyra, que contou com a presença de deputados, do secretário estadual de Cultura, Marcelino Granja, da presidente da Fundarpe, Márcia Souto e representantes da classe artística.

Durante a reunião que tinha como objetivo discutir a Lei 15. 516, Ricardo Costa anunciou que deu entrada ao Projeto de Lei 271/2015 que revoga por completo a Lei 15.516, que tratava-se das manifestações culturais em vias públicas. Segue abaixo nota de esclarecimento de Ricardo.

Quero mais uma vez afirmar: Ao criar a Lei 15.516, não foi minha intensão restringir a liberdade de expressão e nem tão pouco proibir as manifestações populares e artísticas de rua, pelo contrário, tive o intuito de dar mais reconhecimento e valorização aos artistas de rua que fazem a cultura acontecer nos semáforos. A iniciativa com o Projeto foi também preservar nossas crianças que muitas vezes fora da escola arriscam as suas vidas e são “exploradas” rodando paus de fogo enquanto seus pais ou parentes entocados ficam a sombra das árvores esperando para receber os “trocados” arrecadados no trânsito. Isso me lembrou dos tempos de infância e do quanto é dura a vida, como a minha foi, e queria criar uma Lei que pudesse minimizar esse problema.

Agora indago, quem teria coragem de ser contra a cultura popular? Que interesses econômicos ou sociais alguém atenderia prejudicando um dos maiores patrimônios imateriais do nosso Estado? A quem interessaria ir de encontro a uma das mais importantes cadeias produtivas de Pernambuco que rende divisas, gera empregos, amplia o turismo e promove nosso povo? Isso não interessa a ninguém, nem tampouco a mim.

Como quiseram alguns dar a entender o contrário, em nenhum momento me recusei a ouvir e colher sugestões, prova disso é que participei de encontros e manifestações sobre o tema. Em sua grande maioria, as solicitações foram pela revogação da mesma. Diante do fato optei pelo caminho da maioria. Por isso democraticamente, dei entrada ao Projeto de Lei 271/2015 que revoga por completo a Lei 15.516, e assim sendo, zero o processo para que seja iniciada uma nova etapa, um novo desafio: Construir uma nova lei, que atenda aos diversos matizes culturais em sua plenitude.

Assim conclamo a todos os presentes, a classe artística, os movimentos populares, os órgãos competentes que gerem a cultura e a sociedade interessada a construírem juntos esta nova lei.

Sem imaginarmos, este debate, estabeleceu uma grande oportunidade a todos, e só por isso ele já serviu a um grande propósito. Que é importante nos organizarmos, é importante lutarmos e acima de tudo construirmos o que é melhor para todos nós, exercitando o diálogo de forma franca e objetiva.

E é isso que faremos, vamos construir esta nova lei. Contem comigo nessa empreitada, porque acredito em vocês e nessa causa. Por isso, se reúnam, debatam, formulem e construam esta nova sugestão. A Casa de Joaquim Nabuco orgulha Pernambuco ao longo dos seus 180 anos e tenho certeza que teremos mais este motivo para nos orgulharmos.

Que Deus nos proteja a todos!

Deputado Estadual Ricardo Costa (PMDB).

Compartilhe essa notícia:

Frente de Combate às Drogas da Alepe quer criar alas de recuperação nos presídios pernambucanos

Coordenador da Frente, Professor Lupércio (SD) diz que vários detentos querem deixar o vício / Foto: Roberto Soares/AlepeA Frente de Combate ao Crack e Outras Drogas da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) quer criar alas de recuperação de dependentes químicos nos presídios pernambucanos.

O grupo visita na próxima segunda-feira (15) a Penitencária Professores Barreto Campelo, na Ilha de Itamaracá, e o Centro de Observação Criminológica e Triagem Professores Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima para conhecer a situação das unidades prisionais.

“Muitos apenados têm manifestado o desejo de sair do submundo das drogas, mas, infelizmente, o sistema não oferece essa oportunidade. Vamos conversar com os agentes e com aqueles que cumprem pena para ouvir suas demandas”, explicou o coordenador do grupo, deputado Professor Lupércio.

Além dos deputados, representantes da Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos e da Polícia Militar foram convidados a acompanhar a visita.

Compartilhe essa notícia:

Na Alepe, deputado cobra repasses federais para manter Leite para Todos

Ministério do Desenvolvimento Social teria deixado de repassar R$ 15,7 milhões, diz Ângelo Ferreira / Foto: Rinaldo Marques/AlepeO deputado estadual Ângelo Ferreira (PSB) fez um apelo ao Ministério do Desenvolvimento Social para que libere R$ 15,7 milhões em repasses para o programa Leite para Todos, da Secretaria Estadual de Agricultura, que distribui diariamente um litro de leite para famílias pernambucanas de baixa renda.

Em discurso nesta quinta-feira (11), existem produtores que estão sem receber desde dezembro do ano passado. O Governo do Estado, responsável por uma contrapartida de 20% do valor total.

Compartilhe essa notícia:

Uchoa nomeia como assessor ex-prefeito condenado por improbidade administrativa

Ignorando a condenação da Justiça Federal, o presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, Guilherme Uchoa (PDT), nomeou como assessor da presidência o ex-prefeito de Palmeirina Severino Eudson Catão Ferreira.

Seria mais uma pessoa no cargo, a não ser pelo fato de o ex-gestor ter sido condenado pela Justiça Federal por improbidade administrativa, em fevereiro deste ano. A nomeação foi publicada nesta quarta-feira (10) no Diário Oficial do Estado.

Segundo a decisão da Justiça Federal, Eudson Catão está condenado por três anos à perda de função pública, caso esteja exercendo algum cargo, terá os direitos políticos suspensos, à proibição de contratar com os poderes públicos e não poderá receber benefícios e incentivos creditícios públicos. Em teoria, ele não poderá assumir o cargo na Alepe.

Reprodução do Diário Oficial

De acordo com a sentença, o réu teria de pagar de duas vezes o valor do salário que recebia no último mês do mandato como prefeito. O processo transitou em todas as instâncias e não cabe mais recursos.

O ex-gestor foi condenado porque deixou de prestar contas das verbas vindas do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), cujo convênio havia sido firmado em 2001.

O dinheiro deveria ter sido usado para recuperação de 12,1 quilômetros de estradas vicinais e construção de três bueiros da zona rural. As obras estavam relacionadas ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de acordo com documento da Justiça Federal.

Reprodução do processo do site da Justiça Federal

Compartilhe essa notícia:

Bancada evangélica quer uso da força policial se houver símbolo religioso na parada gay do Recife

Cleiton Collins anunciou que grupo vai mover ação junto ao Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) / Foto: Roberto Soares/AlepeA bancada evangélica da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) prometeu nesta quarta-feira procurar o comando da Polícia Militar para pedir que ela faça uso da força caso símbolos religiosos sejam usados durante a Parada da Diversidade do Recife, que ocorre em setembro. A posição foi defendida pelos deputados Adalto Santos (PRB), Dr. Valdi (PP) e Joel da Harpa (PROS).

Os discursos ocorreram após o presidente interino da Casa, Pastor Cleiton Collins (PP), anunciar que o grupo de deputados decidiu entrar com uma ação junto ao Ministério Público Federal de São Paulo (MPF-SP) para punir a transexual Viviany Beleboni que simulou uma crucificação durante a parada da capital paulista. Segundo a bancada evangélica, ela teria ferido o artigo 208 do Código Penal, que trata de vilipendiar publicamente objeto de culto religioso e prevê detenção de até um ano.

“Essas pessoas não querem a paz, não querem a moralidade e o bem estar de um pai de família. E vamos jogar a lei, a polícia, o que necessário for”, prometeu Dr. Valdi, visivelmente exaltado. “Acusam a gente de homofóbico. Mas você nunca vai ouvir dizer por aí que um evangélico matou um homossexual. Eles mesmo se matam uns aos outros”, afirmou Adalto Santos, que declarou que estava defendendo Cristo e que morreria por ele.

Os pronunciamentos causaram a reação de deputados simpatizantes da causa LGBT. “Me impressionou a postura coronelista que eu vi no plenário, como se a Polícia Militar de Pernambuco fosse um grupo a serviço de uma Igreja. Essa postura atrasada, como se nós vivêssemos em uma fazenda no início do século passado não cabe no Parlamento”, disparou Edilson Silva (PSOL), presidente da Comissão de Direitos Humanos.

“Novamente, volta a intolerância. Previamente se dizer, sem dizer nem o que vai acontecer, que vai se pedir para se usar a força policial contra qualquer manifestação que ninguém sabe qual é”, disse Teresa Leitão (PT). A dupla também prometeu procurar os órgãos de segurança pública para garantir que a polícia não impeça a livre manifestação durante a parada do Recife.

Esse foi terceiro dia consecutivo de discussões sobre o tema na Alepe. O debate tomou boa parte da sessão e ofuscou inclusive os pronunciamentos sobre o pacote de concessões do governo federal. No dia anterior, os evangélicos também haviam defendido a retirada dos trechos que falassem sobre identidade de gênero no projeto do Plano Estadual de Educação.

O líder da Oposição, Silvio Costa Filho (PTB) disse que os embates têm apequenado o Legislativo Pernambucano porque existem outros temas como segurança pública e mobilidade que precisam de discussão. “Será que essa é a pauta que a sociedade quer?”, questionou.

Com informações do JC

Compartilhe essa notícia:

Projeto de lei acaba com guarda e digitalização de documentos públicos por empresas privadas

Governador Paulo Câmara PSB

O fracasso do serviço de empresas privadas contratadas para digitalizar e guardar documentos públicos do Estado e a possibilidade de perda de documentação permanente ou histórica – com a migração de papeis – levaram o governo de Pernambuco a encaminhar à Assembleia Legislativa (Alepe) um projeto de lei dispondo sobre a política estadual de gestão documental. Proposto pelo governador Paulo Câmara (PSB), o projeto foi aprovado, nesta terça-feira (9), pela Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ) da Alepe.

Na justificativa à Assembleia, o governador Paulo Câmara sinaliza que o trabalho que vinha sendo desenvolvido por empresas privadas pode ter levado à perda de documentos públicos, por isso propõe o projeto de lei repassando para o Arquivo Público do Estado a competência de “implementar, acompanhar e supervisionar a gestão de documentos públicos estaduais” e à Companhia Editora de Pernambuco (CEPE), em caráter exclusivo, a “gestão operacional de guarda, conservação e arquivamento físico e digital de documentos dos órgãos e das entidades da administração pública estadual”.

“A experiência na contratação de empresas privadas para a digitalização e guarda dos documentos públicos não se mostrou exitosa em nosso Estado. Houve algumas dificuldades em obter o simples acesso aos documentos em curto espaço de tempo, além do risco, sempre presente, de perda de documentos em sucessivas migrações entre instalações físicas de diversas empresas contratadas”, alega o governador.

“Esse risco de perda e a demora no acesso aos documentos pode gerar grandes prejuízos financeiros à administração pública, pelo descumprimento de prazos de prestações de contas ou de defesas judiciais, por exemplo. Por outro lado, o §2º do artigo 216 da Constituição Federal expressamente determina que cabem à administração pública, na forma da lei, a gestão da documentação governamental e as providências para franquear sua consulta a quantos dela necessitem”, acrescenta Paulo Câmara.

O projeto de lei recebeu, porém, na CCLJ, uma emenda modificativa – apresentada pela deputada Teresa Leitão (PT) – que estabelece a “atribuição exclusiva” do Arquivo Público Estadual para a gestão da guarda, conservação e arquivamento físico e digital dos documentos de caráter permanente da administração pública do Estado. Dispõe, também, que cabe “exclusivamente” à Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) a gestão operacional dos documentos de caráter intermediário.

O Poder Público considera como documentos intermediários aqueles que, não sendo de uso corrente nos órgãos produtores, por razões de interesse administrativo, aguardam a sua eliminação ou o seu recolhimento para a guarda permanente, e entende como documentos permanentes os documentos de valor histórico, probatório e informativo que devem ser definitivamente preservados. Os permanentes são “inalienáveis e imprescritíveis”.

Do JC

Compartilhe essa notícia:

Servidores públicos do Estado faz ato na Alepe para marcar paralisação de 24 horas

A mobilização de funcionários públicos do Estado está marcada para começar às 9h desta quarta-feira (10), em frente à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), que fica na Rua da Aurora, área central do Recife. O protesto vai alterar o expediente nas fundações como a Funase, autarquias, como o Grande Recife Consórcio, além de secretarias como a de Direitos Humanos.

Entre as reivindicações está o imediato aumento do vale-refeição, no valor que está em R$ 7 há sete anos. Além disso, pedem a manutenção dos planos de cargos e carreira.

O presidente do Sindserpe, Sindicato que representa a categoria, Renilson Oliveira, diz que os trabalhadores não podem ser responsabilizados pela crise financeira e reclama da morosidade nas negociações com o Governo do Estado.

Da Rádio Jornal

Compartilhe essa notícia:

Deputados silenciam sobre relatório do TCE que acusa superfaturamento em emendas para shows

NemDeputado Álvaro Porto acusa governo estadual de gastar R$ 2,2 milhões com o patrocínio de shows em municípios pernambucanos, no período de março a maio deste ano / Rinaldo Marques/Alepe oposição nem situação. Os deputados estaduais preferiram silenciar, nesta segunda-feira (8), no plenário da Alepe sobre o relatório técnico do TCE que acusa superfaturamento de R$ 500 mil, em 2014, na contratação de produtoras e artistas pelo Empetur, indicados por emendas parlamentares. O relatório acusa, ainda, o uso das emendas para bancar shows destinados à promoção pessoal de deputados.

Foram os casos dos dois filhos do deputado Augusto César (PTB), sócios de uma empresa beneficiada com emendas, e a realização de shows na fazenda da família do ex-deputado estadual João Fernando Coutinho (PSB), atual deputado federal, pagos com dinheiro público. Nenhum parlamentar usou a tribuna para contestar ou criticar o relatório do TCE.

Os shows estiveram presentes na sessão da Alepe, mas como forma da oposição bater na gestão do PSB. Sem a contestação de nenhum deputado governista, o oposicionista Álvaro Porto (PTB) acusou, na tribuna, o governo estadual de gastar R$ 2,2 milhões com o patrocínio de shows em municípios pernambucanos, no período de março e maio deste ano, comemorativos de datas religiosas e de emancipação, segundo levantamento do parlamentar no Diário Oficial.

O pronunciamento visou a contradizer o anúncio do Executivo de corte de R$ 4 milhões para o São João de Pernambuco, como contenção de despesas, reduzindo o apoio financeiro para festas juninas nos municípios, em razão das limitações de caixa do governo. “O Diário Oficial derruba o discurso oficial de que os repasses para festas de padroeiros e emancipações de municípios estão suspensos”, afirmou Porto.

Em primeiro mandato na Assembleia, o deputado petebista protocolou no MPPE e no TCE, no dia 2 de março, denúncia de superfaturamento de shows realizados pela Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur) no Carnaval. Ontem, Álvaro Porto revelou que, “passado o São Pedro”, vai entrar com novo pedido de informações ao governo Paulo Câmara (PSB), repetindo iniciativa tomada há 90 dias. “Espero que, desta vez, os custos sejam detalhados como manda a transparência”, provocou o petebista.

Ex-prefeito de Canhotinho, no Agreste, Porto voltou a denunciar também “favorecimento” a municípios com prefeitos governistas, na liberação de recursos para shows, e a contratação de bandas e artistas de fora do Estado para essas festas municipais. “Quais os critérios utilizados para o financiamento dessas festas? Ao que parece são critérios políticos uma vez que os municípios beneficiados são, via de regra, os que têm prefeitos da base de apoio do governo”, apontou Porto. Com informações do JC.

Compartilhe essa notícia:

Oposição visita obras atrasadas em PE

Os deputados da bancada de oposição na Assembleia Legislativa de Pernambuco visitam, hoje, o Canal do Arruda, na Zona Norte da capital pernambucana, e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), no mesmo bairro, para verificar o andamento das obras, que andam em ritmo lento.

As obras de revitalização e urbanização do Canal do Arruda deveriam ter sido entregues em janeiro de 2015 e são alvo de críticas da população por conta da lentidão na execução do projeto, que atinge 80 mil pessoas que vivem na região. O projeto prevê o revestimento e pavimentação dos 3,7 quilômetros do entorno do Canal e também a construção de um novo passeio público e uma ciclovia ao longo do percurso. A primeira etapa da obra está orçada em R$ 83,1 milhões.

Já as obras da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro do Arruda se iniciaram em julho de 2012, com previsão de entrega em janeiro de 2013. Até hoje, a unidade – orçada em mais de R$ 5 milhões – não começou a funcionar, deixando de atender aos moradores da região.

Compartilhe essa notícia:

Pernambuco cria projeto de lei para regulamentar a pesca artesanal

Governador Paulo Câmara assina projeto de lei em evento no Palácio do Campo das Princesas / Foto: Sérgio Bernardo/JC Imagem

Incentivar o desenvolvimento sustentável da pesca artesanal e promover a gestão compartilhada dos recursos naturais. Essas são as diretrizes da Política Estadual da Pesca Artesanal, lançada pelo Governo de Pernambuco nesta sexta-feira (5), Dia Mundial do Meio Ambiente. Em ato com representantes do setor, no Palácio do Campo das Princesas, o governador Paulo Câmara assinou um projeto de Lei que será enviado à Assembleia Legislativa com o objetivo de regulamentar a atuação do Estado nessa área.

A medida foi a terceira anunciada pelo chefe do Executivo estadual, em menos de um mês, cujo escopo trata da preservação ambiental e do estímulo ao empreendedorismo por parte do setor. No dia 26 de maio, o Governo já havia enviado à Alepe outro projeto de Lei instituindo um conjunto de ações para preservar o meio ambiente. Entre elas, o incentivo, por parte do Estado, aos cidadãos que desenvolverem iniciativas nesse sentido. Já no último dia 29, foi lançado o programa PE Solar, cuja meta é estimular empresas locais a gerarem energia solar para consumo próprio.

“Pernambuco se desenvolve com a presença de indústrias; gera emprego e renda para a população. Mas temos, também, que garantir condições de trabalho para aqueles que querem proteger o meio ambiente e ter na pesca artesanal o seu meio de vida. Esse projeto de Lei regulamenta os direitos e deveres dos pescadores. Regulamenta, ainda, o caminho que nós, enquanto Governo do Estado, temos pela frente”, explicou Paulo.

A medida lançada no Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, será gerenciada por um comitê composto por representantes da sociedade civil e do poder público. “Eu não tenho dúvida que estamos construindo uma política diferenciada. Uma política pública que vai garantir, cada vez mais, o aumento das práticas sustentáveis no Estado. Como governador, oriento a minha equipe nesse sentido; para que a tenhamos um processo de discussão permanente, que passe por todo o Estado olhando as características de cada região”, pontuou Câmara.

APORTE

Dentro da política estadual, o Governo fará um investimento de R$ 2 milhões para a criação das Unidades de Conservação nas áreas de populações que vivem da pesca artesanal. Inicialmente, serão destinados recursos para a Área de Proteção Ambiental de Santa Cruz; para a Área de Proteção Ambiental de Guadalupe; Bacia do Pina (Ilha de Deus e Parque do Manguezais) e Reserva Extrativista Acaú Goiana. O aporte financeiro visa integrar as comunidades de pescadores às ações de monitoramento e proteção das unidades.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Sérgio Xavier, o governador não poupa esforços para reforçar a política ambiental do Estado. “Esse projeto de Lei veio acompanhado, hoje, de um anúncio importante. Mesmo com os atuais desafios econômicos, o governador Paulo Câmara já garantiu R$ 2 milhões para que a gente possa tirar essa política do papel”, comemorou o gestor. “Esse projeto vai no caminho certo: cuida do meio ambiente e das pessoas”, completou Sérgio.

O governador também enalteceu a participação da sociedade na construção do projeto de Lei. “Uma legislação que trará muito mais segurança e fará com que a pesca artesanal seja um exemplo para o Brasil, com práticas sustentáveis e geração de emprego e renda”, ressaltou Paulo Câmara.

PLANOS

A matéria ainda prevê a implantação do Plano de Assistência Técnica e Extensão da Pesca Artesanal, a ser executado pelo Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). A iniciativa visa melhorar a produtividade, a rentabilidade e a eficiência do setor, para a obtenção da sustentabilidade econômica, social, cultural e ambiental. Além disso, estabelece a criação dos Sistema Estadual de Informações sobre a Pesca Artesanal, medida que vai promover a descentralização dos dados sobre o setor.

Para o secretário de Agricultura e Reforma Agrária, Nilton Mota, a medida mostra a unidade da gestão. “Essa política é um símbolo da integração do Governo, além da reiteração do compromisso do governador com os que vivem da pesca. Temos aqui um trabalho de parcerias em todos os segmentos, em favor do povo. As secretarias de Agricultura e Meio Ambiente, com as suas vinculadas, estão juntas para melhorar a qualidade de vida da população”, salientou, lembrando que a questão da pesca no Estado está integrada com a área da agricultura familiar.

Representante da colônia de pescadores Z-10, localizada em Itapissuma, na Região Metropolitana, Joana Mousinho afirmou que as negociações para a formatação do projeto de Lei começaram em 2011, na gestão de Eduardo Campos. Joana se disse feliz com resultado da construção coletiva. “Uma política de grande importância para o setor, pois essa é uma luta nossa de muito anos. Agora, com esse projeto de Lei, nós sabemos que vale a pena lutar pelos nossos direitos”.

Os pescadores artesanais são responsáveis pela metade de toda a produção pesqueira do País. Em Pernambuco, o percentual chega a 70%. De acordo com dados do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), o Estado ocupa a 15ª posição nacional na produção de pescados. O último levantamento feito pelo MPA, em 2012, apontou a presença de 14 mil pescadores no Estado.

Do JC

Compartilhe essa notícia:

Na Alepe, projeto multa estabelecimento que proibir mulheres de amamentar

Um projeto de Lei apresentado pela deputada Socorro Pimentel (PSL) na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) reconhece o aleitamento como um direito de todas as crianças e multa os estabelecimentos que proíba mulheres de amamentar seus bebês.

A multa varia entre R$ 500 e R$ 1.000 e a regra vale para locais fechados ou abertos, destinados a atividades de comércio, cultura, recreativos ou que prestem serviços públicos ou privados.

A permissão para dar de amamentar ocorre mesmo que o estabelecimento possua áreas destinadas ao aleitamento materno.

Na proposta, Socorro também determina que a execução da lei terá dotação orçamentária própria, suplementada se necessário.

Na justificativa apresentada à Alepe, a deputada lembra que o direito à amamentação é defendido pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Mesmo assim, algumas mulheres se sentem constrangidas ao amamentar em público. De acordo com uma enquete realizada tempos atrás, em uma FanPage no Facebook, 23% das mulheres sentem vergonha ou ficam incomodadas de amamentar em público, e 6% acham que não é uma boa ideia. Mais 33,83% disseram ter sofrido algum tipo de constrangimento”, justifica ainda a deputada.

Com informações do JC

Compartilhe essa notícia:

Proposta defende servidor efetivo no comando da CGE, na Alepe

Teresa Leitão diz que função é estratégica e não pode ser contagiada por nenhum fator externo / Foto: João Bita/AlepeA Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) desarquivou uma Proposta de Emenda à Constituição Estadual (PEC) da deputada Teresa Leitão (PT) que determina que os chefes dos órgãos de controle do Estado sejam funcionários do quadro efetivo dos órgãos, e não livre indicação política do governador. A proposta também determina que o controlador-Geral do Estado passe cinco anos inelegível após deixar o cargo.

O projeto também define que o controlador terá um mandato fixo de três anos e que só será destuíto antes disso caso seja comprovada uma falta grave.

“Acho que essa é uma função estratégica que não pode ser contagiada por nenhum fator externo”, defende a deputada. “Isso é uma reivindicação que está sendo feita em todo o País. E um grupo de servidores do Estado me procurou para pleitear”, conta.

Outra mudança proposta na gestão da CGE é um parágrafo da PEC que específica que o controlador, ao tomar conhecimento de qualquer irregularidade ou abuso, precisará dar ciência ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), sob pena de ser acusado de responsabilidade solidária.

A proposta foi apresentada por Teresa Leitão no ano passado, mas acabou não sendo votada antes do fim da legislatura anterior. A expectativa da deputada é que o texto avance até 2018. “É um tema polêmico, mas eu vou enfrentá-lo porque é necessário”, garante.

O atual controlador-Geral do Estado, Rodrigo Amaro, é servidor concursado da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), mas já foi gerente de Auditoria, Prestação e Tomada de Contas da CGE.

Compartilhe essa notícia:

Esvaziada, comissão da Alepe confere andamento da Transposição

Miguel Coelho (PSB) e Rodrigo Novaes (PSD) em Floresta, antes de vistoriar Transposição / Foto: João Bita/AlepeFoi esvaziada a vistoria da Comissão Comissão Especial criada para acompanhar as obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) às obras da Transposição do Rio São Francisco. Do colegiado, apenas o presidente Miguel Coelho (PSB) foi ao município de Floresta, no Sertão do Estado. Além dele, o deputado Rodrigo Novaes (PSD), que não integra o grupo, também participou da visita.

Os dados fornecidos pelo Ministério da Integração, porém, tranquilizou o deputado socialista, principalmente após o corte de R$ 25,9 bilhões no orçamento do PAC. “Muita coisa foi falada sobre a Transposição, como as mais de 4 mil demissões, tudo aquilo que a gente acompanhou. E o que você vê é a obra funcionando, intacta”, avaliou Miguel Coelho.

Essa é a primeira visita externa da comissão e a Transposição foi escolhida por ser a maior obra do PAC em Pernambuco. O grupo também promete ir a Adutora do Agreste, à Transnordestina, ao Porto de Suape e conhecer mais de perto as obras do BRT na Região Metropolitana do Recife (RMR), em datas que ainda serão definidas.

Na Transposição, os deputados foram recebidos por Marcílio Lira de Araújo, coordenador das obras do Eixo Leste, que vai do reservatório da Hidroelétrica de Itaparica, em Floresta, até a Bacia do Rio Paraíba, em Monteiro (PB).

Ele informou que a Transposição está 74% pronta, que já foram aplicados R$ 5,3 bilhões na obra, sendo que o ano passado foi o de maior desembolso, com a liberação de R$ 1,3 bilhões.

A expectativa é que, ao longo de 2015, mais R$ 1,6 bilhões sejam aplicados na obra, que promete ficar contra no final de 2016. Hoje, cerca de 9,5 mil funcionários atuam na obra, em frentes que funcionam por até 24 horas seguidas.

“A felicidade de ver a obra quase saindo é impressionante”, diz Miguel Coelho. “Na minha concepção, aquilo ali é o ponto de virada do Nordeste, que vai mudar a cara do semi-árido”, afirma, com entusiasmo.

Além de Miguel Coelho, a comissão do PAC é composta pelos deputados Diogo Moraes (PSB), Aluísio Lessa (PSB), Teresa Leitão (PT) e Sílvio Costa Filho (PTB), que está nos Estados Unidos.

Com informações do JC

Compartilhe essa notícia:

Oposição cobra ao governo dados sobre saúde materno-infantil em Pernambuco

Dando continuidade às agendas de cobranças ao governador Paulo Câmara (PSB), os deputados da oposição se reuniram nesta quinta-feira (21) para apontar as fragilidades da rede de maternidades de Pernambuco. Durante a audiência com profissionais da área, na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), os legisladores afirmaram que vão pedir ao governo de Pernambuco dados sobre a mortalidade de gestantes e recém-nascidos no Estado.

Sem dar detalhamentos ou números oficiais, o diretor do Cremepe, José Olímpio, adiantou que o percentual de óbitos após o parto já apresenta crescimento em 2015. “Dados preliminares sugerem que nos cinco primeiros meses já morreram mais mulheres com problemas de parto, por exemplo, no Recife do que no ano de 2014″, disse.

“Nosso dever agora é procurar o Governo do Estado para saber qual o índice de mortalidade de mães e bebês nas maternidades de Pernambuco nestes primeiros meses do ano, em comparação com a série histórica”, frisou o líder da Bancada da Oposição, deputado estadual Silvio Costa Filho (PTB).

Segundo o líder da oposição, Silvio Costa Filho (PTB), as informações colhidas na audiência pública e em encontros com representantes do Cremepe e do Simepe mostram que o atendimento à saúde materno infantil no Estado é de “absoluta calamidade”.

“A situação é estarrecedora. Estamos entrando em um estado de colapso real. É humanamente impossível se oferecer um serviço de qualidade em maternidades que atendem a um número muito maior de pacientes do que sua capacidade”, disse o parlamentar, ao repercutir as informações sobre o número insuficiente de leitos e as precárias condições de trabalho de obstetras, neonatologistas e anestesistas.

Um dos maiores problemas apontados na audiência pública foi a falta de atendimento às gestantes no interior do Estado, por falta de maternidades.

De acordo com a promotora do Ministério Público de Pernambuco (MPPE), Maisa Melo, até as maternidades que funcionam no interior fecham aos finais de semana por ausência de profissionais. “No Tricentenário, de Olinda, das gestantes atendidas, apenas 30% são do município. Vem gente de Arcoverde e até de Araripina, Sertão do Estado, para dar à luz na maternidade”, informa.

A diretora do Sindicato dos Enfermeiros de Pernambuco, Flaviana Santos, relatou que em função desta verdadeira peregrinação que as gestantes fazem do interior para o Recife, “há mulheres parindo dentro de ambulâncias, sem a mínima condição de assistência”.

A deputada Socorro Pimentel (PSL) revelou que visitou pessoalmente algumas maternidades constatando o colapso da rede de assistência materno-infantil. “O Estado precisa apresentar soluções práticas para estes problemas. Estive em maternidades da Região Metropolitana e do interior, a exemplo do Tricentenário, do Dom Malan, em Petrolina, do Hospital Fernando Bezerra, em Ouricuri, e a realidade é de superlotação, falta de estrutura e de cumprimento de escalas de plantão”.

A secretária-executiva de atenção à saúde do Governo de Pernambuco, Cristina Mota, reconheceu que há problemas no sistema de atendimento materno-infantil, afirmando que o Estado precisa avançar por exemplo em questões como contratação de médicos e maior articulação com os municípios.

“Há um déficit, sim, de médicos na escala mínima, como obstetras, pediatras ou neonatologistas, e anestesistas. E a tentativa de manter estas escalas nos hospitais faz com que os serviços tenham uma competição entre si. Então onde tem um hospital regional, por exemplo, que precisa garantir a escala mínima, até por ser referência para municípios, os hospitais municipais têm dificuldade de manter o médico em seus territórios. E quanto mais longe da capital, mais complicado isto se torna”, reconheceu.

Estiveram presentes à reunião deputados estaduais e representantes de entidades de saúde, a exemplo do Conselho Regional de Medicina (Cremepe), Ministério Público (MPPE), Conselho Regional de Enfermagem (Coren-PE), Sindicato dos Enfermeiros, Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde (SindSaúde), além da Secretária de Saúde de Pernambuco.

Compartilhe essa notícia:

Evangélicos de olho em 2016

Evangélicos de olho em 2016

As principais cidades de Pernambuco, pode vir a ter vários candidatos da bancada evangélica, disputando a prefeitura desses municípios nas eleições do próximo ano. No meio de políticos ligados a bancada protestante, a uma união das denominações para eleger o maior número de prefeitos e vereadores no Estado.

Os deputados assembleianos, Pastor Cleiton Collins (PP) e Anderson Ferreira (PR) são postulantes em Jaboatão dos Guararapes, a idéia é com várias candidaturas evangélicas, levar a eleição para o 2° turno para vencer o PSDB e PSB jaboatonense.

Em Olinda, o PC do B, PSB, PMDB  e demais partidos postulantes da cidade das artes, sonham em uma composição para vice ou com o apoio dos pré-candidatos, do segmento,  o deputado e Bispo da Universal, Ossesio Silva (PRB) ou o deputado Professor Lúpercio (SDD), da Assembleia de Deus, por causa do expressivo número de crentes na cidade, com tantas candidaturas fora às dos parlamentares evangélicos, os olindenses devem contemplar também o 2° turno.

Na capital Recife, surge a postulação do presidente estadual do PRB e ex-presidente da Rede Record do RJ, pastor Carlos Geraldo da Universal, uma verdadeira surpresa nas eleições de 2014, sem ser muito conhecido, teve quase 60 mil votos, ficando a frete de medalhões da política pernambucana, muitos acreditam na sua postulação para o executivo, para se tornar mais conhecido dos eleitores pernambucanos, mas outros acreditam que o pastor pode ser o vice de um dos partidos da oposição,  PTB, PT ou PSDB no Recife. O deputado assembleiano André Ferreira (PMDB), pode ser escolhido para vice na chapa do atual prefeito do PSB na Capital, para os socialistas conquistarem os evangélicos recifenses. Na cidade de Petrolina, o crente, ex-prefeito e deputado Odacy Amorim (PT) aparece como o franco favorito dos evangélicos petrolinenses, ele espera o apoio das principais igrejas para conquistar a majoritária.

O deputado Joel da Harpa (PROS),  membro da Assembleia espera ter o apoio do Pastor Cleiton Collins e do Bispo Ossesio Silva, além dos demais amigos parlamentares da bancada, e de várias denominações para entrar na disputa pela prefeitura do Cabo de Santo Agostinho. Os crentes ipojucanos esperam e desejam a candidatura dos candidatos oficiais da lideranças da Assembleia de Deus, deputado estadual Presbítero Adalto Santos  (PSB) ou do deputado federal Pastor Eurico (PSB), para prefeitura da segunda cidade mais rica do estado, as outras denominações sinalizam com o pleito dos irmãos em Ipojuca.

O que une o grupo é mesmo a frase “em defesa da família”. Talvez, apenas isso, mas não deixa de revelar o poder e ascensão do grupo. Na legislatura anterior na Alepe, os deputados da bancada eram apenas três. Detalhe: na eleição de 2014, dos 49 deputados estaduais eleitos, dos cinco mais votados, três foram evangélicos. Cleiton Collins conquistou a liderança geral, com 216.874 votos. Entre os representantes eleitos de Pernambuco para a Câmara dos Deputados, os evangélicos estão no meio dos mais votados com o deputado Pastor Eurico (PSB), com 233. 762 votos, sendo o segundo colocado geral e o deputado Anderson Ferreira (PR), com 150.565 votos, na quinta colocação dos eleitos.

Apesar de inclinar para o mesmo pensamento em pautas tachadas como conservadoras, como a crítica ao aborto, ao casamento homossexual e até mesmo em temas que envolvam educação infantil e religiosa, abancada evangélica é tão distinta como qualquer outra.

A forma como entraram na política também diverge. Alguns são escolhidos como candidatos oficiais de determinadas igrejas, como o Bispo Ossesio Silva (PRB), da Igreja Universal, mesmo com poucos anos no estado obteve quase 50 mil votos nas eleições de 2014 para o parlamento, e o presbítero Adalto Santos (PSB), da Assembleia de Deus, o segundo colocado para a Alepe, com 158. 874 votos. Alguns candidatos, dizem o meio político cristão, são apresentados à comunidade religiosa e possuem o direito de fazer campanha dentro das igrejas, inclusive antes ou depois dos cultos.

A direção das principais denominações, tem o objetivo de eleger o maior número de vereadores e prefeitos, representando as igrejas, para não deixarem projetos contra o segmento evangélico serem aprovados.

Compartilhe essa notícia:

Deputados e vereadores da oposição do Recife definem agenda conjunta de fiscalização e cobranças

Um encontro foi realizado nessa segunda-feira (11), entre os deputados da bancada de oposição na Assembleia Legislativa (Alepe) e os vereadores que fazem oposição à gestão municipal na Câmara do Recife, para tratar uma agenda conjunta de atuação.

Os parlamentares acreditam que o modelo de gestão adotado nos últimos anos pelo PSB, tanto em âmbito estadual quanto no Recife, já apresenta sinais de esgotamento. Por isso o objetivo da reunião é dar ainda mais visibilidade ao papel de fiscalização e compartilhar as cobranças feitas aos governos do PSB no Estado e na capital pernambucana.

Líder da oposição na Alepe, Silvio Costa Filho (PTB) falou que durante a reunião ficou clara uma grande sintonia entre o que os deputados e vereadores já têm realizado e pretendem realizar no parlamento. “A reunião serviu para combinarmos uma atuação conjunta sobre os principais temas do Recife e também da Região Metropolitana. Queremos inclusive ampliar este contato com vereadores dos municípios da RMR para debatermos as questões que afetam a região metropolitana e que são de responsabilidade do Governo do Estado e das gestões municipais”.

O deputado antecipa que o primeiro passo do grupo é realizar um amplo diagnóstico dos principais problemas da Cidade do Recife e que serão realizadas audiências públicas de forma conjunta, com o intuito de debater sobre os projetos do PSB. “O projeto do PSB já dá sinais de esgotamento em algumas políticas públicas, a exemplo da saúde, educação, transporte coletivo e mobilidade urbana, além do aumento da violência e da epidemia das drogas no Recife”, justifica o deputado estadual.

O vereador Jurandir Liberal (PT), que também esteve no encontro e contou que este é um padrão de relação onde todos ganham principalmente a população. “Com esta articulação fortalecemos ainda mais o papel de independência do Poder Legislativo, ampliamos nossa capacidade de atuação e o debate sobre os problemas de nossa cidade e do nosso Estado. Tenho certeza que essa parceria com a bancada de oposição na Assembleia será muito produtiva”, afirma o vereador do Recife.

Para Jurandir o primeiro contato serviu para uma troca de impressões sobre o trabalho dos dois grupos e uma avaliação das gestões Paulo Câmara e Geraldo Julio, mas que uma nova reunião já foi agendada para a próxima segunda-feira (18). “No próximo encontro vamos aprofundar a elaboração de uma agenda de iniciativas conjuntas”, informa.

Compartilhe essa notícia:
background