domingo, setembro 24, 2017
Home > Homenagem > A despedida dos súditos ao seu rei, Reginaldo Rossi

A despedida dos súditos ao seu rei, Reginaldo Rossi



“Garçom, no bar e na doença, todo mundo é igual.

E com ele, o Rei mais plebeu de todos os impérios musicais, não seria diferente. A vida juntou idade, cigarro e noitadas num mesmo verso e o pulmão, quintal do coração, fraqueja como num brega-roedeira.

Reginaldo Rossi luta pela sobrevivência como a raposa luta pelas uvas e todo mundo que lembra com muita saudade daquele bailinho torce pela saúde do homem cujo coração voa mais que avião.

O Rei, em décadas empunhando o microfone, venceu a batalha contra o câncer do preconceito, chaga das mais violentas. Fez o brega chegar aos garçons e às levianas, em bom português, no universal inglês e até em francês pros mais sofisticados. Provou que música não tem casta.

Instituiu o dia do corno, democratizou a lamúria e transformou um desabafo banal no hino dos traídos. Cantou a cidade e a saudade, uma ilha e o mundo inteiro. Historiador da vida alheia, fez do palco cabaré de todos nós, desnudou almas, entronizou lágrimas e risos, casos e desilusões.

Reginaldo Rossi merece, em vida, todas as reverências. E, pra matar a tristeza, só mesa de bar.”

Wagner Sarmento,
Repórter do Jornal do Commercio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *