sábado, Fevereiro 24, 2018
Home > Política > “Precisiodades” do debate político-eleitoral

“Precisiodades” do debate político-eleitoral

Gerente, administrador, já ouvimos esta conversa antes em Paulista, e deu no que deu. Precisamos de gestores sim, mas gestão pública, de políticas públicas. Essa conversa de que não precisamos de políticos ou de políticas é uma falácia, de quem decididamente não está sintonizado com os novos tempos ou não sabeo que é política.

Ao invés de “fulanizar” o debate com preferências por A ou B, discutamos POLÍTICA, e não partidarismos ou opções pessoais, muito embora, todos democraticamente tenham as suas. Quando digo “não fulanizar o debate”, não significa subestimar ou diminuir a capacidade ou a importância das pessoas, mas não tornar pequeno o debate, o qual aliás, não é e nem pode ser um debate político-eleitoral, pois a legislação não permite.

Quando um candidato vitorioso vence um pleito, ele continua tendo um partido político, mas age com o caráter da “imperatividade” das políticas públicas em fução do Estado. Portanto o gestor implementa uma política pública em nome do Estado, e não em nome pessoal. Afinal, os gestores passam, mas as políticas públicas não. Vale salientar, que a justiça eleitoral está observando inclusive os meios digitais, para verificar algum tipo de propaganda eleitoral antecipada. Outro discurso que vem à tona em todo início de processo eleitoral, é o do chamado candidato “filho da terra”.

Com a metropolitanização da política, a região metropolitana do Recife experimenta a troca de domicílio eleitoral e a vinda de candidatos sem nenhuma ou pouca identidade com as cidades. Renildo não é de Olinda, Elias Gomes não é de Jaboatão, nem Yves é de Paulista, mas alguns outros pré-candidatos se fixam antes nos municípios para concorrer ao pleito eleitoral, e outros já possuem residência já há bastante tempo. Isto é irrelevante hoje na agenda política, e o que vale mesmo é a competência e a capacidade de cada um, com suas proposições e experiência na vida pública. Portanto, fiquemos atentos quanto a natureza e profundidade das plataformas propostas, do currículo dos postulantes e de suas ideias fundamentais.

 




6 thoughts on ““Precisiodades” do debate político-eleitoral

  1. Amigo Ricardo Andrade, o seu comentário é bastante aprofundado, tem váriosw temas, do fulanizar ao candidato da terra, porém acredito quando temos um candidato da terra, que conhece a cidade é conhecido, tem serviços prestados, como é ficha limpa e com pontuações nas pesquisas eleitorais crescendo, bastante conhecido ele e a família sendoi tradicional, vem lutando a 20 ( vinte anos ) e preferio ausentar-se de vários gorve4nos a não envolver-se em escandalos, te4m um plano de gorverno voltados para todas as classes socias, tem trabalhado 24 horas por dia na plítica e tem independe4ncia moral, política e financeira, semnpre4 investindo com os seus prorios recursos em prol do Povo de Paulista, nada melhor do que acreditar na pessoa de NENA CABRAL, Prefeito em 2012. Os forasteiros tambem não dram certos como ddois de ,casa que vc sabe os nomes sempre o goste4i e continuarei gostando e admirando vc e sua família que é tambem tradicional de Paulista. O POVO SABE PAULISTA É DAGENTE, QUANDO OUTROS TOMAM AGENTE VAI BUSCAR.

  2. bom dia ricardo sou pernambucano de garanhuns moro em paulista a mas de 10 anos amo de coraçao esta cidade asim como amo a deus sobre todas as coisas e meu irmao e semelhante e por este amor que vou lutar com unhas e dentes juntamente com as pessoas que almeijam dias melhores para esta maravilhosa cidade que nos ultimos anos vem sofrendo tanto com pessimas administraçao feitas por forasteiros e mentirosos que vieram paraca fazendo promesas miraculosas e a unica coisa que diseram foi fazer uma populaçao de sofredores que vivem o dia a dia nas emossoras de tadio e televisao implorando a este governante para acabar com a lama tirar os lixos e entulhos de vossas portas e nada fazem pos eles nao respeitam ninguem a saude e uma doença a educaçao e lamentavelmente uma verdadeira falta de respeito nao tem qualidade nao adianta se falar que e a primeira cidade que pagou o teto salarial a professores se nao tem uma qualificaçao adequada nao queremos uma educaçao para os nossos filhos e neto com mentiras nem a educaçao nem saude infelismente nada funciona poristo pleiteamos um prefeito da terra que nos traga o respeito que foi amputado por este que ai estao que dao uma de soliacista para mim sao puros anarquistas e enganadores do povo que fogen de um debate como foi com a materia sobre a educaçao que sai na veja do dia 02 deste mes dia de finados a educaçao hoje e considerada morta e enterrada por incompecia de um prefeito viaja mais do que trabalha e uma secretaria de educaçao sem competencia provem ao contrario e falem a verdade sejam honesros uma ves na vida queremos um prefeito ficha limpa que tenha amor pela cidade pelas pessoas competente que tenha sementes implantadas e que tenha nos dados bons frutos como ser humano cristao e com muito respeito ao meu irmao e semelhante convido nossos irmao vamos a luta em busca dos nossos sonhos paulista merece viver dias melhores com alegria vamos mandar esta tristeza para bem longe de nos fichas sujas fora forasteiro fora mentira fora maloqueiro fora so a verdade fica e nos somos esta verdade estamos a pouco menos de um ano de saboreamos prato da verdadeira democracia em paulista sem medo de erar e a verdade prevalecerar nao tenho um bom nivel cultural minhas escritas nao tem ponto nem virgula o meu passado foi um pouco escuro mais deus mim ajudou a chegar aos meus 61 anos com amor e carnho a minha amada familia e a este povo sofrido que aprende a amar paulista eu te amo de todo coraçao vamos vota e brilhar quem sabe com nena cabral ja.aceitem o meu humilde e sincero abraço jose pinto.

  3. Analisando o ARTIGO como um todo, concordo plenamente com ele,pois acredito que Ricardo baseia-se na realidade dos fatos e não em sua opinião pessoal,porém, trazendo a situação até mim,darei preferência(quando tiver que escolher um candidato à sucessão municipal)a alguém de minha Cidade,não sendo necessário para tanto, ter nascido nela (como eu), mas, que aqui resida e conviva com os problemas nela existentes, em seu dia a dia.

  4. Vamos lá, li este artigo e achei meio tendencioso. Como no próprio artigo diz que Paulista esta metropolizando, ou seja, a Cidade do Recife e as cidades vizinhas não estão mais separadas por linhas de fronteiras bem definidas, onde uma pessoa que sair do Cabo não sabe se já chegou no Recife ou se esta em Jaboatão ou outra cidade vizinha a Recife, querendo dizer com isto que todos nós que moramos nestas cidades vizinhas a Recife sabemos e vivemos as mesmas realidades e problemas, e com isso uma pessoa que venha de qualquer uma das cidades vizinhas a Recife pode administrar muito bem outra cidade que faça parte deste conglomerado de cidades ao redor da capital pernambucana. Mas discordo plenamente este pensamento, pois é o mesmo que dizer que a história de uma destas cidades não tem mais sentido para formação de um futuro “como a ciência história diz que precisamos conhecer o passado para realizarmos um presente e um futuro melhor para as novas gerações que virão”, então um candidato de qualquer canto pode vir aqui e desprezar o passado da Cidade das Chaminés, pois isto é irrelevante. O bom administrador tem sim que conhecer a sua empresa ou negocio para bem administrar, este é o lema da iniciativa privada e da economia moderna “ninguém se aventura numa negocio próprio e vence sem conhecer muito bem o mercado” o mesmo acontece em uma cidade. Onde já se viu, um japonês que morar a dois anos no Recife ser prefeito de Paulista, só porque Recife e Paulista não tem mas limites bem definidos??? Que vemos por aí hoje em dia, aqui na região metropolitana do Recife é um tabuleiro de xadrez para a sucessão de Eduardo Campos e alguns deputadinhos estaduais e federais criando candidatos fantoches para as cidades metropolitanas do Recife de olho nas suas candidaturas para 2014. Aqui em Paulista é um grande exemplo disto, tem um pré-candidato que esta com apóio de dois deputados que o povo de Paulista jamais ouviu falar “a não ser talvez no dia da eleição do ano passado”, outro pré-candidato apoiado por um ex-prefeito do Recife que sonha ser governo do estado em 2014, outro é apoiado por um senador que também sonha com o governo do estado e outro grupo formado por dois pré-candidatos do mesmo partido, sendo um deles claramente apoiado pelo governador. Os que restaram foram dois pré-candidatos, O Nena Cabral e um outro candidato que nem quero falar dele para não me comprometer, pois é mais sujo que pau de galinheiro de tanto comprar votos por aí… Nena Cabral é sim, a melhor opção no momento, pois conhece Paulista como a palma de sua mão “e como eu disse acima, pra ter sucesso em um empreendimento tem que conhecer muito bem o seu negocio, se não a vaca vai pro brejo”. Nena já foi vice-prefeito de Paulista e teve poucos meses de prefeito titular, sendo assim mais uma razão de colocá-lo na prefeitura “conhece a máquina administrativa da cidade”, outra razão é sua ficha limpa como político “outro fato indispensável”, não faz parte do tabuleiro de xadrez que acabei de demonstrar acima “nem deputados nem senadores e nem o governador estão colocando ele como candidato, logo, ele esta livre de dever favores políticos para 2014, ou seja, é um candidato neutro” e o melhor de tudo o único que tem projeto de governo para cidade com mais de 10anos!!! Agora, Nena não é perfeito, pois sabemos que a Prefeitura da Cidade do Paulista esta cheia de fantasmas desde os governos de Geraldo Pinho Alves, o qual ele participou “na época de Ademir Cunha e Resende a coisa ficou muito pior, mas Nena não fazia parte destes governos”. O defeito que eu vejo em Nena é este, não moralizou o funcionalismo público do município, dando o desconto que ele não ficou muito tempo no poder e grande parte da câmara de vereadores da época era corrupta e inescrupulosa engessando sua administração, sem falar nos possíveis desdobramentos que a moralização do funcionalismo poderia ter, pois coisas ruins poderiam correr com ele.

  5. Vamos lá, li este artigo e achei meio tendencioso. Como no próprio artigo diz que Paulista esta metropolizando, ou seja, a Cidade do Recife e as cidades vizinhas não estão mais separadas por linhas de fronteiras bem definidas, onde uma pessoa que sair do Cabo não sabe se já chegou no Recife ou se esta em Jaboatão ou outra cidade vizinha a Recife, querendo dizer com isto que todos nós que moramos nestas cidades vizinhas a Recife sabemos e vivemos as mesmas realidades e problemas, e com isso uma pessoa que venha de qualquer uma das cidades vizinhas a Recife pode administrar muito bem outra cidade que faça parte deste conglomerado de cidades ao redor da capital pernambucana. Mas discordo plenamente este pensamento, pois é o mesmo que dizer que a história de uma destas cidades não tem mais sentido para formação de um futuro “como a ciência história diz que precisamos conhecer o passado para realizarmos um presente e um futuro melhor para as novas gerações que virão”, então um candidato de qualquer canto pode vir aqui e desprezar o passado da Cidade das Chaminés, pois isto é irrelevante. O bom administrador tem sim que conhecer a sua empresa ou negocio para bem administrar, este é o lema da iniciativa privada e da economia moderna “ninguém se aventura num negocio próprio e vence sem conhecer muito bem o mercado” o mesmo acontece em uma cidade. Onde já se viu, um japonês que morar a dois anos no Recife ser prefeito de Paulista, só porque Recife e Paulista não tem mas limites bem definidos??? Que vemos por aí hoje em dia, aqui na região metropolitana do Recife é um tabuleiro de xadrez para a sucessão de Eduardo Campos e alguns deputadinhos estaduais e federais criando candidatos fantoches para as cidades metropolitanas do Recife de olho nas suas candidaturas para 2014. Aqui em Paulista é um grande exemplo disto, tem um pré-candidato que esta com apóio de dois deputados que o povo de Paulista jamais ouviu falar “a não ser talvez no dia da eleição do ano passado”, outro pré-candidato apoiado por um ex-prefeito do Recife que sonha ser governo do estado em 2014, outro é apoiado por um senador que também sonha com o governo do estado e outro grupo formado por dois pré-candidatos do mesmo partido, sendo um deles claramente apoiado pelo governador. Os que restaram foram dois pré-candidatos, O Nena Cabral e um outro candidato que nem quero falar dele para não me comprometer, pois é mais sujo que pau de galinheiro de tanto comprar votos por aí… Nena Cabral é sim, a melhor opção no momento, pois conhece Paulista como a palma de sua mão “e como eu disse acima, pra ter sucesso em um empreendimento tem que conhecer muito bem o seu negocio, se não a vaca vai pro brejo”. Nena já foi vice-prefeito de Paulista e teve poucos meses de prefeito titular, sendo assim mais uma razão de colocá-lo na prefeitura “conhece a máquina administrativa da cidade”, outra razão é sua ficha limpa como político “outro fato indispensável”, não faz parte do tabuleiro de xadrez que acabei de demonstrar acima “nem deputados nem senadores e nem o governador estão colocando ele como candidato, logo, ele esta livre de dever favores políticos para 2014, ou seja, é um candidato neutro” e o melhor de tudo o único que tem projeto de governo para cidade com mais de 10anos!!! Agora, Nena não é perfeito, pois sabemos que a Prefeitura da Cidade do Paulista esta cheia de fantasmas desde os governos de Geraldo Pinho Alves, o qual ele participou “na época de Ademir Cunha e Resende a coisa ficou muito pior, mas Nena não fazia parte destes governos”. O defeito que eu vejo em Nena é este, não moralizou o funcionalismo público do município, dando o desconto que ele não ficou muito tempo no poder e grande parte da câmara de vereadores da época era corrupta e inescrupulosa engessando sua administração, sem falar nos possíveis desdobramentos que a moralização do funcionalismo poderia ter, pois coisas ruins poderiam correr com ele.

  6. Este artigo reflete com clareza um propósito de querer descaracterizar o discurso de candidato da terra – candidato da terra é o maior desejo de todos os paulistenses.Uma sertaneja disse uma certa vez para mim que tinha 10 filhos, 5 mulheres e 5 homens.Quando cresceram os filhos a simple senhora disse assim para todos eles: minhas filhas “case com o homen da nossa terra”, assim elas fizeram. Meus filhos, eu sei que o desejo de voces é sair da nossa cidade em busca de melhores condições de trabalho, tudo ok.Só gostaria de pedir para voces m eus filhos quando for escolher uma esposa venham casar com uma filha de nossa terra que vc já conhece.Os filhos ouviram atentamente a sua querida mãe, mas infelizmente não seguiram o conselho dela. Hoje todas as filhas estão bem casadas e todos os filhos casaram com mulheres de fora da cidade natal. Conclusão, todos os filhos estão descasados.Seguindo os conselhos daquela simples sertaneja eu, Ilson Adelino, voto no candidato da terra,tataraneto de Pedro Alvares Cabral- Nena Cabral, assim diz a história. Fiquei surpreso e muito triste, sendo você um excelente historiador,se o seu avó, senhor Paulino Luiz, fosse vivo e estivesse pleiteano uma vaga no pleito eleitoral eu seria um eleitor dele e como também o seu pai, Joel Andrade, autor do excelente hino de Paulista,ambos prata da casa, temos mais é de valorizar. Convido o Professor Ricardo Andrade para também fazer parte da maioria dos paulistense que desejam um candidato da terra, conhecedor dos problemas públicos da nossa cidade, tenha ficha limpa,que ama o povo da sua cidade, que têm serviços prestadas e sabe quem é forte é o povo. Vamos valorizar o candidato da terra!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *