Em Dourados, Aécio Neves diz que agronegócio será prioridade

Aécio desconversou sobre possível candidatura à Presidência em 2014O candidato à Presidência da República, Aécio Neves (PSDB), teve atos de campanha nesta terça-feira (19) em Dourados (MS). Acompanhado de candidatos do partido, como Reinaldo Azambuja que disputa o governo de Mato Grosso do Sul, Aécio disse, a produtores e empresários locais, que vai priorizar o agronegócio, caso seja eleito. Segundo ele, o setor deve ser visto como uma alavanca para o país e precisa estar aliado a obras de infraestrutura estratégicas.

“Ou nós valorizamos o agronegócio brasileiro ou o Brasil vai começar a colher resultados negativos”, disse. Segundo o candidato, o problema do produtor ocorre “da porteira para fora”, com falta planejamento e estrutura como estradas, ferrrovias e portos. “O Brasil virou um grande cemitério de obras inacabadas”, disse, ao criticar o atual governo.

O tucano, que tem defendido um enxugamento da máquina administrativa federal, prometeu uma redução do número de ministérios pela metade. Ele não apontou quais pastas seriam cortadas, mas confirmou que vai criar uma espécie de superministério da Agricultura. “Um ministério que atuará no mesmo nível do Ministério da Fazenda, que terá interlocução com o Ministério da Infraestrutura na definição dos investimentos em logística e infraestrutura, que será ocupado por pessoas representativas do setor e não estará mais sujeito a esse loteamento político a que vem sendo submetido ao longo dos últimos anos”.

Aécio ainda defendeu maior autonomia para estados e municípios. “Os municípios não conseguirão atender suas demandas mínimas se nós não votarmos rapidamente a agenda da federalização. Ao longo dos últimos anos, vemos uma concentração cada vez maior de receitas nas mãos da União, criando essa dependência”.

Ainda em Dourados, o candidato disse que o Ministério da Justiça seria transformado em Ministério da Segurança Pública e Justiça, “com proibição de contingenciamento de recursos, com política de parceria com estados e uma modernização do Código Penal e Código de Processo Penal para que a impunidade não continue sendo estímulo para criminalidade”.

Da Agência Brasil

Compartilhe essa notícia:

    Marina Silva diz que trajetória de Eduardo Campos não pode ser esquecida

    eduardo-campos-marina-silva-size-598A ex-senadora Marina Silva destacou nesta terça-feira (19) a importância do ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência pelo PSB, Eduardo Campos, para a política brasileira. Marina disse que a trajetória de Campos não deve ser esquecida com a morte dele, mas incorporada como um legado pelos que acreditam nas bandeiras defendidas por ele.

    “[Eduardo foi] um homem que, mesmo diante da descrença do seu compromisso de que ia trabalhar para renovar a política, não se rendeu às criticas e continuou com a sua bandeira empunhada e até o último momento, pediu que não desistíssemos de lutar pelo Brasil. Um Brasil com justiça social, democracia, com respeito ao meio ambiente, um Brasil onde a política continue sendo a arte de lutar por um bem comum”, destacou.

    Marina participou da missa em homenagem a Campos na Catedral de Brasília, que reuniu políticos de vários partidos e autoridades. A ambientalista é a mais cotada como sucessora de Campos na chapa presidencial da coligação União para o Brasil. A decisão será anunciada amanhã (20) durante reunião da Executiva Nacional do PSB, em Brasília.

    Segundo Marina, que não respondeu a perguntas dos jornalistas sobre os rumos que a campanha deve tomar daqui para frente nem sobre o nome do candidato a vice-presidente que vai compor nova chapa, lamentou que os ideais de Eduardo Campos tenham se tornado conhecidos “ao preço de tamanho sacrifício e tamanho aperto”.

    Emocionada, Marina disse que os que caminhavam com Campos continuam juntos e pediu que a trajetória do ex-governador de Pernambuco seja levada adiante, para que seja tratada “como um legado, em que quanto mais pessoas puderem se apropriar dele, maior ele fica”.

    Segundo lideranças do PSB, Marina deve assinar, nos próximos dias, uma carta reafirmando os compromissos feitos com Eduardo Campos à época da formação da aliança para a disputa presidencial.

    O vice-presidente da República, Michel Temer, disse que foi à celebração para prestar uma homenagem ao ex-governador. “Todos rezaram para guardar no seu coração a memória desse grande homem público que foi Eduardo Campos.

    Da Agência Brasil

    Compartilhe essa notícia:

      Dilma evita responder sobre reajuste de combustível

      Presidente Dilma RousseffA presidente Dilma Rousseff evitou comentar nesta terça-feira (19), durante visita à hidrelétrica de Santo Antônio, em Rondônia, a possibilidade de um novo reajuste no preço dos combustíveis. “Tchau pra vocês. Na próxima (vez), te respondo”, disse Dilma, dirigindo-se à repórter que a havia questionado.

      No dia 10 de agosto, em coletiva de imprensa no Palácio da Alvorada, a candidata à reeleição comentou o assunto. “Necessariamente em algum momento do futuro pode ser que tenha um aumento (dos combustíveis)”, afirmou Dilma naquela ocasião.

      A presidente destacou, naquela coletiva, que não estava confirmando ou negando um aumento, mas falando apenas sobre uma possibilidade, lembrando ainda aumentos anteriores. “Quero repetir que não estou dizendo se vai ou não ter aumento de preço de combustível”, afirmou Dilma na semana passada.

      Em Porto Velho, no entanto, a presidente evitou tratar do tema, encerrando a coletiva de imprensa para posar em fotos ao lado de operários que trabalham na hidrelétrica de Santo Antônio.

      Do Estadão

      Compartilhe essa notícia:

        Dilma sobre entrada de Marina: Eu vejo naturalmente

        Dilma disse não estar preocupada com entrada de Marina na disputa / Foto: Antônio Cruz/AbrNo primeiro dia da exibição do horário eleitoral no rádio e na TV, a presidente Dilma Rousseff (PT) disse nesta terça-feira (19) que não está preocupada com a entrada da ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (PSB), na corrida pelo Palácio do Planalto. O nome de Marina deve ser confirmado na chapa do PSB nesta quarta-feira, em Brasília.

        A presidente visitou nesta terça-feira as hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, em Rondônia, em um esforço da campanha para colocar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) na vitrine eleitoral. Após a visita, foi questionada pelo Broadcast sobre a candidatura de Marina. “Meu querido, eu quero dizer pra vocês: vou fazer a minha campanha, tenho muito o que mostrar. Eu não posso ficar preocupada com qualquer pessoa ou com o que ela queira fazer, é direito das pessoas concorrerem. E é meu direito agora, aproveitar esse período e apresentar as obras que nós estamos fazendo, tudo que nós entregamos”, afirmou Dilma, após a visita à hidrelétrica de Santo Antônio.

        A licença prévia das hidrelétricas foi emitida pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em 2007, quando Marina Silva – agora alçada à cabeça de chapa do PSB na corrida pelo Palácio do Planalto – chefiava o Ministério do Meio Ambiente. “Eu vejo naturalmente (a entrada da Marina na disputa), quero lembrar que na época nós lutamos muito para viabilizar tanto Santo Antonio quanto Jirau, contratando técnicos e especialistas”, disse Dilma. “Não tenho por que comentar a entrada de ninguém”.

        Apesar das declarações de Dilma, internamente auxiliares da presidente e integrantes do comitê da campanha ficaram preocupados com o resultado da última pesquisa Datafolha, que apontou situação de empate técnico entre Dilma e Marina em um eventual segundo turno. O Palácio do Planalto prefere enfrentar num segundo round o candidato do PSDB, Aécio Neves, visto como um alvo mais previsível de ser combatido, reeditando a polarização entre PT e PSDB das últimas disputas.

        Do Estadão

        Compartilhe essa notícia:

          Marina concorda com compromissos de Campos, diz senadora

          Marina_Novopartido_edferreira_estadaoAo comentar sobre a carta de compromissos que será entregue à vice da chapa de Eduardo Campos à Presidência da República, Marina Silva, a senadora Lídice da Mata, candidata pelo PSB ao governo da Bahia, disse que Campos e Marina vinham estreitando os compromissos de campanha ao longo de dez meses. “Não é necessário concordância de Marina. A postura dela já é de concordância”, disse.

          A senadora afirmou na tarde desta terça-feira (19) que a carta é “um legado” das obrigações assumidas pelo presidenciável socialista, morto em acidente aéreo na semana passada na cidade de Santos (SP). “É um documento do nosso presidente Roberto Amaral, apenas dando conhecimento de nossos compromissos”, disse.

          Do Estadão

          Compartilhe essa notícia:

            Dilma deve avançar com horário eleitoral, diz ministro

            dilma-572x381O ministro da Educação, Henrique Paim, afirmou nesta terça-feira (19), em entrevista à imprensa após participação no V Fórum Estadão Brasil Competitivo, em São Paulo, que a presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição, deverá avançar nas pesquisas de intenção de voto quando começar a expor as conquistas do governo atual no horário eleitoral, que começou hoje.

            Questionado, Paim evitou avaliar as possíveis consequências para a candidatura de Dilma da entrada de Marina na disputa presidencial. “A presidente tem todas as realizações para demonstrar no horário eleitoral, e a população vai entender que esses resultados são importantes”, limitou-se.

            O ministro afirmou que a presidente deve focar as conquistas na área da educação durante a exposição dos avanços. Segundo ele, devem ser destacadas melhorias tanto na educação superior quanto na profissional.

            Do Estadão

            Compartilhe essa notícia:

              Ministério Público impugnou mais de 4 mil registros de candidaturas

              Da Agência Brasil

              O Ministério Público Eleitoral (MPE) informou nesta terça-feira (19) que impugnou 4.115 registros de candidatos às eleições de outubro. Do total, 497 foram com base na Lei da Ficha Limpa, que impede a candidatura de condenados em segunda instância pela Justiça. A Justiça Eleitoral recebeu mais de 25 mil pedidos de candidaturas aos cargos de deputado estadual, federal, senador, governador e presidente da República.

              De acordo com o levantamento, a principal causa de impugnação foi a rejeição de contas, também prevista na Lei da Ficha Limpa. O estado com mais impugnações foi São Paulo, com 2.058 candidatos, seguido por Minas Gerais (1.308).

              O prazo para que todos os registros de candidaturas sejam julgados pelos juízes eleitorais termina na quinta-feira (21). Para estar apto a concorrer às eleições de outubro e ter o registro deferido pela Justiça Eleitoral, os candidatos devem apresentar declaração de bens, certidões criminais emitidas pela Justiça, certidão de quitação eleitoral que comprove inexistência de débito de multas aplicadas de forma definitiva, entre outros documentos, como previsto na Lei das Eleições (Lei 9.504/97).

              O primeiro turno do pleito deste ano será em 5 de outubro. O segundo será no dia 26, nos casos de eleições para governador ou à Presidência da República em que o primeiro colocado não obter mais de 50% dos votos válidos, excluídos os brancos e nulos.

              Compartilhe essa notícia:

                MPF e TRE discutem medidas contra currais eleitorais de traficantes e milicianos

                Da Agência Brasil

                A Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro (Seseg) está investigando a denúncia do envolvimento de associações de moradores na divulgação de rumores de que traficantes ou milícias têm vetado a campanha eleitoral de candidatos que não tenham feito acordo com eles em certas regiões do Rio.

                A informação foi divulgada nesta terça-feira (19), após uma reunião entre o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, e representantes da Procuradoria Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (PRE-RJ) e do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), na qual foram discutidas medidas de curto prazo para queixas de políticos sobre “currais eleitorais” no estado.

                De acordo com a PRE-RJ, Beltrame deu informações sobre as condições de policiamento nas regiões citadas e comprometeu-se a enviar para os dois órgão, até sexta-feira (22), um relatório com “informações reservadas para embasar a tomada de decisões pelo TRE” na sessão do próximo dia 25.

                A Subsecretaria de Inteligência está apurando o caso e o relatório deve apontar se há, ou não, necessidade de reforço de tropas militares para acompanhar o processo eleitoral no Rio de Janeiro.

                Compartilhe essa notícia:

                  CHARGE: Velha política…

                  charge_politico_pe_de_meia

                  Compartilhe essa notícia:

                    Assessores de Eduardo Campos são lembrados em missa e culto no Recife

                    O Recife estava um pouco mais triste na noite nesta terça-feira (19), dia em que três diferentes igrejas da cidade recebiam as missas de 7º dia da morte dos quatro pernambucanos mortos no acidente aéreo da última quarta-feira (13), em Santos, em São Paulo. Outras três pessoas morreram na queda do jatinho que transportava a equipe do Rio de Janeiro para o litoral paulista.

                    Um culto na Catedral da Reconciliação, no bairro da Imbiribeira, na Zona Sul do Recife, homenageou o jornalista Carlos Percol, que era assessor de comunicação do ex-governador e presidenciável Eduardo Campos. Conduzida pelo bispo Alexandre Ximenes, a cerimônia contou com orações e leitura de passagens da Bíblia. A celebração também teve diversas músicas e abriu espaço para que a viúva Cecília Ramos agradecesse a presença de todos os familiares e amigos presentes no culto.

                    Já na igreja do Espinheiro, na Zona Norte do Recife, as famílias do fotógrafo Alexandre Severo e do cinegrafista Marcelo Lyra decidiram por uma cerimônia única. Na ocasião, amigos e familiares dos dois profissionais vestiram camisas brancas com a foto dos assessores de Eduardo Campos. Lotada, a missa de 7º dia dos assessores de Eduardo Campos foi ministrada pelo Padre Josenildo, pároco da igreja das Graças.

                    Em suas palavras, o religioso exaltou o trabalho do fotógrafo e do cinegrafista e falou da relaçao deles com o trabalho: “Foram amados pelo trabalho, foram sete homens que morreram no trabalho e o trabalho dignifica o homem”, disse o padre na homilia.

                    A camisa em homenagem à Alexandre Severo trazia uma frase do escritor Rubem Alves, que parecia escrita especialmente para o jovem fotógrafo. “Quem é rico em sonhos não envelhece nunca. Pode até ser que morra de repente. Mas morrerá em pleno voo…”

                    Já a lembrança entregue pelos familiares de Marcelo Lyra contava com uma camisa com seu rosto estampado e as datas de nascimento e morte do cinegrafista. Uma espécie de marca páginas também foi distribuída, nela havia um trecho da música Society, de Eddie Vedder, que tem a seguinte estrofe: Sociedade, essa raça louca/ Espero que você não esteja tão só sem mim/ Sociedade, realmente loucos/ Espero que você não esteja tão só sem mim.

                    Na igreja de Casa Forte, na Zona Norte do Recife, o ex-governador Eduardo Campos foi homenageado em uma cerimônia com muita emoção dos familiares, amigos e políticos. No início da noite, a esposa Renata Campos e os filhos entraram na igreja ao som da Ave Maria.

                    Compartilhe essa notícia:

                      Filhos de Eduardo Campos homenageiam o pai em Missa de 7º Dia

                      A igreja Matriz de Casa Forte, no Recife, ficou pequena para acolher todos que foram à Missa de 7º Dia do ex-governador Eduardo Campos, realizada na noite desta terça-feira (19). No telão instalado do lado de fora da igreja, centenas de pessoas puderam acompanhar a celebração. No interior da matriz, os bancos destinados ao público foram ocupados assim que as portas foram abertas, às 19h30. Muitas pessoas ficaram em pé, disputando espaço nos corredores central e laterais e na escada que dá acesso ao primeiro andar, que também ficou lotado.

                      Vestidos de branco, Renata Campos e os cinco filhos chegaram cerca de 15 minutos antes do início da missa, que começou às 20h, e foram bastante aplaudidos pelos presentes, ao som instrumental da Ave Maria. A família sentou na primeira fila, onde Renata, firme e serena, amamentou o pequeno Miguel, de seis meses, e trocou carinho com os demais filhos. Bastante abatida, a mãe de Eduardo Campos, Ana Arrais, ficou ao lado da nora.

                      Os quatro filhos mais velhos de Eduardo Campos, João, Maria Eduarda, Pedro e José, participaram da missa lendo trechos da liturgia e mensagens para o pai e para as outras seis vítimas do acidente aéreo ocorrido na última quarta-feira (13): assessor de imprensa Carlos Percol, o fotógrafo Alexandre Severo, o cinegrafista Marcelo Lyra, o assessor Pedro Valadares, o piloto Marcos Martins e o copiloto Geraldo Magela.

                      João foi o primeiro a falar. “Não estamos aqui para celebrar a morte, mas sim a vida; não queremos reviver a tristeza da separação e sim proclamar a alegria da ressurreição e do encontro definitivo com Deus. Sabemos que painho e seus amigos encontraram a vida eterna”, disse. Em seguida, o arcebispo de Olinda e Recife, dom Fernando Saburido, lembrou a vida religiosa da família Campos. “Esta igreja sempre foi escolhida por Eduardo Campos para celebrar momentos importantes, como aniversários e as duas vitórias nas eleições para governador (2006 e 2010). Ele valorizava a vida cristã e teve sensibilidade para ajudar as pessoas”, afirmou Saburido.

                      Apesar do arcebispo falar no início da celebração, a maior parte da missa foi conduzida pelo pároco de Casa Forte, padre Edvaldo Gomes e contou ainda com a presença de outros 19 padres. O tom político predominou na homilia de padre Edvaldo. “Eduardo partiu querendo o melhor para o Brasil. Vamos honrar sua memória afastando da política os que não prestam”, disse o religioso, que ganhou aplausos dos presentes. “Votem e votem bem”, concluiu.

                      Durante a missa, Maria Eduarda, a segunda filha mais velha de Campos, pediu para que o pai, “em sua nova morada, esteja muito feliz e em paz junto a Deus”. Já o seu irmão Pedro fez a leitura litúrgica. José, de apenas 9 anos, emocionou a todos ao ler a mensagem final em nome da família. “Seguiremos na luta e seremos sementes da tua esperança. A saudade é enorme, mas sentimos a tua presença em casa momento vivido e cada sonho realizado. Vá em paz, o céu ganhou mais do que um presidente”.

                      Compartilhe essa notícia:

                        PSB anuncia oficialmente nova chapa com Marina e Beto Albuquerque

                        O presidente Nacional do PSB, Roberto Amaral, antecipou, na sede do PSB no Recife, após encontro com lideranças locais, o nome de Marina Silva como candidata da aliança PSB-Rede em substituição ao nome de Eduardo Campos.

                        No mesmo evento, Amaral confirmou ainda o nome de Beto Albuquerque como candidato a vice.

                        “Nós escolhemos fazer este anuncio aqui em Pernambuco em homenagem a Arraes, em homenagem a Eduardo, em homenagem a Renata e homenagem a Paulo Câmara, o nosso candidato a governador, em cuja eleição nós nos empenhamos fortemente. A eleição estadual aqui adquire um caráter nacional. Está sendo encarada nacionalmente pelo partido com essa característica”, explicou Amaral.

                        Beto Albuquerque disse que estava muito honrado de receber a ‘missão’.

                        “Saímos daqui animados, mas com uma tarefa. A tarefa de completar a caminhada que o Eduardo começou e acima de tudo mudar esse país, que parou de melhorar, parou de crescer, voltou a conviver com a corrupção em alta escala, com poucos resultados, muitas promessas, contas públicas desequilibradas e ameaça de empregos. Não vamos deixar a peteca do Brasil que melhorou, que se desenvolveu cair”.

                        “Vamos pelo Brasil todo mostrar que quem fez em Pernambuco tem que continuar fazendo e quem fez em Pernambuco tem que fazer também pelo Brasil. O PSB está 100% unificado em honrar este legado de Eduardo Campos”.

                        Além do prefeito do Recife, Geraldo Júlio (PSB), também participou da reunião o candidato ao governo do Estado pela Frente Popular, Paulo Câmara, indicado por Eduardo Campos.

                        No encontro, os líderes nacionais do PSB acertaram ainda que o lançamento oficial da nova chapa nacional será realizada aqui no Recife, no próximo sábado ou domingo, com a presença de Marina e Beto Albuquerque. A escolha do Estado de Pernambuco é uma deferência especial a Eduardo Campos. De quebra, ainda ajudam a campanha de Paulo Câmara, que agora virou uma das prioridades nacionais do PSB.

                        Quais as razões para a sua escolha?

                        Ele também tem uma boa relação com Marina, ao contrário de Roberto Amaral. Quando Eduardo Campos morreu, ele foi o único que Marina Silva recebeu em São Paulo.

                        Elas são sentimentais, mas sobretudo pragmáticas.

                        Beto Albuquerque era vice-presidente do PSB e um dos três homens que formavam o tripé de confiança de Eduardo Campos.

                        Os outros dois eram Márcio França e Rodrigo Rollemberg.

                        O primeiro é candidato a vice na chapa de Geraldo Alckmin, com boas chances de vitória, já que o tucano está liderando as pesquisas.

                        Rollemberg é candidato a governador no Distrito Federal, com boas chances de ir ao segundo turno com o petista Agnelo Queiroz, considerando que o candidato do PR, Roberto Arruda, impugnado, deve ser retirado da disputa pela Justiça Eleitoral.

                        Outro motivo que tira o senador das especulações é o fato da candidatura bem ser uma das prioridades de Eduardo. A capital do Brasil tinha um gosto especial para Campos, pois foi lá que ele viveu durante 12 anos e exerceu três mandatos como deputado federal.

                        Já o deputado federal gaúcho Beto Albuquerque é candidato ao Senado, com 10% das intenções de voto. Com a sua oficialização, o jogo político no Estado do Rio Grande do Sul será alterado. A sua retirada da disputa gaúcha, assim, seria plenamente justificada, em função de uma disputa maior.

                        Também pesa a favor de Beto Albuquerque o tempo de militância dentro do PSB. Ele filiou-se nos anos 80 e concorda sem restrições aos posicionamentos de Eduardo Campos.

                        Foi o deputado Beto Albuquerque que escreveu e fez a resposta à nota publicada no perfil do PT, no Facebook, dizendo que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), não tinha credibilidade política e se referindo ao socialista como playboy mimado pelo “lulo-petismo”, Na época, o líder do PSB na Câmara dos Deputados, rebateu às críticas classificando-as como “covardes e despolitizadas”. Após a coletiva, Beto Albuquerque dirigiu-se a paróquia de Casa Forte, onde acompanhou a missa de sétimo dia realizada pela família Campos.

                        O não de Renata Campos

                        Sobre Renata Campos, Roberto Amaral disse que seria a candidatura dos sonhos, a candidatura da unanimidade.

                        “Ela, porém, declinou do convite, emocionada, principalmente com os apelos que ela recebeu nas ruas da população, das pessoas pobres, que estavam chorando, acompanhando o félitro, agradece as manifestações de apreço, mas no momento a prioridade dela é cuidar da família e dedicar-se à campanha do Paulo, dedicar-se a esse esforço que nós estamos fazendo aqui e que ela está fazendo, de realizar o sonho do Eduardo, que foi quem construiu essa candidatura e que sonhava com a sua vitória”, disse Amaral.

                        “Antes de ser cogitado por nós, foi cogitado pela população do Recife, que a admira, a candidatura da companheira Renata Campos a vice-presidência”.

                        Do blog de Jamildo

                        Compartilhe essa notícia:

                          Peritos acreditam que flaps podem elucidar queda

                          As análises iniciais dos restos das peças do jatinho que caiu vitimando o ex-governador de Pernambuco e presidenciável Eduardo Campos (PSB), assessores e pilotos, na última quarta-feira (13), apontaram que os flaps da aeronave estavam recolhidos. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o dado sobre o instrumento é considerado fundamental para a avaliação das causas do acidente.

                          Quando vai aterrissar, o piloto precisa “baixar os flaps”, equipamentos que ajudam na sustentação e frenagem do avião no solo.

                          De acordo com a instrução do jato, se os flaps forem recolhidos como avião a mais de 370 km/h, ocorre um baque muito forte, movimento que puxa a aeronave para baixo, tirando a estabilidade do avião.

                          Para os investigadores, se os flaps estão recolhidos é porque há duas opções: o procedimento pode ter sido realizado no tempo certo, com velocidade certa, ou o flap foi recolhido após a arremetida, em alta velocidade.

                          A análise dos peritos se volta para a possibilidade de um eventual baque, “put down” como é chamado, tendo sido motivado por um suposto recolhimento do equipamento acima dos 370 km/h, contribuindo, desta forma, para o acidente.

                          Alguns fatores ainda são vistos como motivos que teriam dificultado as investigações. O jato não tinha como equipamento de série um gravador de dados, não foram gravadas as conversas mantidas pelo piloto e copiloto na cabine e, além disso, os investigadores ainda consideram um problema o fato de não existir torre de controle em Santos (SP), mas apenas uma estação de rádio

                          Do Blog da FolhaPE

                          Compartilhe essa notícia:

                            Majoritária da Frente Popular retoma propaganda

                            Do Diário de Pernambuco

                            Após o luto pela morte do ex-governador Eduardo Campos, a chapa majoritária da Frente Popular retomou, hoje, as propagandas de rua no Recife. Veículos alugados pelo PSB distribuíam, durante a manhã de hoje, cavaletes com imagens do candidato ao governo, Paulo Câmara (PSB) e do postulante ao Senado Fernando Bezerra Coelho (PSB) pelas principais ruas e avenidas da cidade. Em muitos deles, ambos candidatos aparecem ao lado de Eduardo Campos.

                            Em diversas vias do Recife, como a PE-15 e a Avenidas Norte, podem ser vistos cavaletes em que Eduardo Campos aparece junto à Paulo Câmara com o slogan “Eduardo é Paulo”. Bandeiras amarelas de Câmara e Bezerra Coelho também retornaram hoje à rotina recifense.

                            O presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, afirmou que o material de campanha que está nas ruas a partir de hoje é o mesmo que era utilizado antes do acidente que vitimou Eduardo. Ainda de acordo com Sileno, o retorno das propagandas de membros da Frente Popular estava autorizado desde ontem (18). Porém, apenas algumas propagandas de postulantes a cargos proporcionais apareceram nas ruas na segunda-feira.

                            Compartilhe essa notícia:

                              Agredida pelo Jornal Nacional, Dilma se defende

                              Dilma no Jornal Naciol

                              Com posturas até então desconhecidas do grande público, os apresentadores William Bonner e Patrícia Poeta deixaram a elegância de lado e partiram para o ataque sobre a presidente Dilma Rousseff, na entrevista ao Jornal Nacional concedida no Palácio da Alvorada, em Brasília, nesta segunda-feira 18. Ambos estavam vestidos de preto, indicando luto pela morte do ex-governador Eduardo Campos, cujo último compromisso eleitoral foi a entrevista da quarta-feira 13. Eles não dirigiram nenhuma pergunta sobre o fato à presidente.

                              Bonner parecia o mais irritado, mas Patrícia não quis ficar atrás. Ela chegou a apontar, em riste, o dedo para a face próxima da presidente, insistindo que o governo dela e do ex-presidente Lula não fizeram “nada” na área da saúde. A presidente conseguiu dizer, entre interrupções da entrevistadora, que hoje, ao contrário do passado, o atendimento de saúde pública atinge 50 milhões de brasileiros.

                              No início da entrevista, Bonner perguntou, por mais de um minuto, sobre “corrupção e malfeitos”, citando uma série de ministérios e também a Petrobras.

                              – Qual a dificuldade de formar uma equipe de governo com gente honesta?, questionou ele, mais ao estilo botequim de esquina do que o que emprega normalmente, todos os dias, à exceção dos domingos, na bancada do JN. O jogo de apertar a presidente ficou claro desde o primeiro momento.

                              A própria Dilma percebeu e não se intimidou com a postura da dupla. Procurou responder a todas as perguntas e manter a calma, mas não dando as respostas que Bonner e Patrícia esperavam. Dilma tinha argumentos na ponta da lingua.

                              – Fomos o governo que mais estruturou o combate à corrupção e aos malfeitos, respondeu ela.

                              – Nenhum procurador geral da República foi chamado no meu governo de engavetador geral da República, acrescentou, numa referência nada sutil a Geraldo Brindeiro, dos tempos do governo Fernando Henrique.

                              Bonner nunca fizeram perguntas tão longas e em tom tão duro

                              O âncora do Jornal Nacional insistiu no tema da corrupção, usando cada vez mais ênfase sobre a presidente:

                              – Um grupo de elite do seu partido foi condenado por corrupção, são corruptos, posso dizer por que a Justiça já julgou, mas o seu partido protegeu essas pessoas. O que a sra. acha dessa postura do seu partido?

                              Dilma não respondeu diretamente, optando por lembrar sua posição institucional:

                              – Enquanto eu for presidente da República, não externarei opinião pessoal sobre decisões do Supremo Tribunal Federal. Eu tenho a minha opinião, mas não vou externá-la.

                              – Mas o que a sra. diz sobre a postura do seu partido? A sra. não diz nada?

                              – Olha, Bonner, eu não vou entrar nisso de me manifestar contra a decisão de um poder constitucional. Isso é muito delicado, merece o meu maior respeito.

                              Patrícia apontou o dedo em riste para a presidente

                              Patrícia, que até então estava calada, perguntou sobre saúde, afirmando que “nada fora feito” nos governo Dilma e Lula, e que “as filas se multiplicam nos hospitais e postos de saúde”. Dilma, outra vez, procurou responder sem aceitar a indagação como provocação.

                              Patrícia não gostou do que ouviu, e lá veio Bonner atacar de novo:

                              – A sra. considera justo culpar ora a crise econômica internacional, ora os pessimistas pelo baixíssimo crescimento da economia brasileira, pela inflação alta?

                              – A inflação cai desde abril, Bonner, agora mesmo saiu um dado oficial mostrando que houve zero por cento de aumento de preços em julho. Por outro lado, todos os dados antecedentes ao segundo semestre, aqueles que anunciam o que vai acontecer na economia, mostram que haverá crescimento em relação ao primeiro semestre.

                              Bonner não pareceu satisfeito com a resposta, mas em razão do tamanho das perguntas que havia feito antes, percebeu que o tempo de 15 minutos estava estourando. Foram, de fato, questionamentos quilométricos os que ele fez.

                              – Eu vou garantir um minuto para a sra. encerrar, disse ele, visivelmente insatisfeito.

                              – Obrigado, Bonner, eu quero dizer que acredito no Brasil, reiterou Dilma, que ainda foi mais duas vezes interrompida para que fosse cumprido o tempo estabelecido.

                              – Eu compreendo, vou suspender a minha fala, encerrou Dilma, com classe, diante dos entrevistadores que se mostraram em pleno ataque de nervos.

                              Com informações do Portal 247

                              Compartilhe essa notícia:

                                Armando e João Paulo mantêm decisão de suspender campanha até terça

                                joão paulo e armando monteiroA Coligação Pernambuco Vai Mais Longe (PTB, PDT, PT, PRB, PSC e PTdoB) vem a público reafirmar o compromisso assumido com a sociedade pernambucana de manter suspensas as atividades da campanha majoritária até terça-feira (19), em respeito à memória do ex-governador Eduardo Campos e das demais vítimas do trágico acidente que enlutou o Brasil.

                                A decisão tomada pelos candidatos ao governo, Armando Monteiro, a vice-governador, Paulo Rubem Santiago, e ao Senado, João Paulo, de suspender as atividades pelo período de sete dias, continua mantida, independentemente da movimentação da coligação adversária.

                                Somente a partir desta quarta-feira (20), as agendas de Armando, Paulo Rubem e João Paulo voltam à normalidade, bem como a distribuição de material publicitário, a circulação de carro de som, o trabalho da militância nas ruas e as atividades nos comitês.

                                Coligação Pernambuco Vai Mais Longe

                                Compartilhe essa notícia:

                                  AblogPE entrevista hoje Jair Pedro

                                  Associação de Blogueiros de Pernambuco – ABLOGPE realiza nesta terça-feira (19) a segunda rodada de entrevista com os candidatos a governo para Pernambuco.

                                  A transmissão é feita pelo canal no link youtube.com/ablogpe às 19.

                                  cats

                                  Compartilhe essa notícia:

                                    “Quem está com Eduardo, está com Paulo”, diz candidato socialista em evento na manhã desta segunda

                                    Paulo Camara e Renata

                                    “Eduardo, nós não vamos desistir de Pernambuco”. Foi o que garantiu o candidato ao Governo Estadual Paulo Câmara (PSB), durante o encontro com lideranças e militantes dos 21 partidos da Frente Popular, na manhã desta segunda-feira (18). O ato, que reuniu cerca de cinco mil pessoas em uma casa de recepções na Benfica, serviu para mostrar que a ampla aliança construída no Estado continua unida, para garantir que o projeto iniciado pelo ex-governador Eduardo Campos (PSB), morto em um acidente de avião no último dia 13, seja vitorioso nas urnas. Viúva do socialista, a ex-primeira-dama Renata Campos, convocou a reunião junto com o postulante e fez questão de discursar sobre a importância do engajamento de todos na campanha estadual.

                                    “Vamos pegar no serviço”, uma frase típica do ex-governador, foi lembrada por Paulo Câmara, assim como por outras pessoas que discursaram. “Esta é a hora de unir a tropa, de ir às ruas. Vamos mostrar quem somos, as transformações que iniciamos e com a qual vamos avançar. Vamos fazer uma campanha bonita, defendendo o nosso legado, que vai continuar, com mais força do que nunca. Pernambuco vai saber: quem está com Eduardo, está com Paulo. Quem não está com Paulo, não está com Eduardo”, afirmou o postulante.

                                    Segundo o candidato, quando o ex-governador lhe pediu que fosse candidato à sua sucessão, alertou que a campanha eleitoral “tinha muita intriga, muita fofoca”. “Acho que, de propósito, ele não me disse as coisas boas. Que, na campanha, você reúne as pessoas, ouve o povo, cria relações e percebe quem está com você. Sei quem está comigo e, acima de tudo, que o povo de Pernambuco quer que o trabalho iniciado por Eduardo continue avançando”, ressaltou Paulo.

                                    Recebida com um coro de “Renata, guerreira do povo brasileiro!”, a ex-primeira-dama lembrou que o evento desta segunda já estava programado, e que seria liderado pelo próprio Eduardo Campos, como uma preparação para a nova etapa da campanha, iniciada com o guia eleitoral. Foi a própria Renata que pediu que a reunião fosse mantida “como ele queria”. “Sei da vontade de Eduardo, da importância de eleger Paulo Câmara governador. Depois de tantos anos de trabalho e de conquistas, somente com essa vitória poderemos garantir que Pernambuco continue no caminho certo”, convocou ela.

                                    Afirmando que, apesar da dor da perda, vai “participar por dois” (por ela e por Eduardo) das campanhas estadual e federal, Renata fez coro ao marido, ao afirmar que também não desistirá do Brasil. “Fica tranquilo, Dudu, temos a sua coragem para mudar o Brasil”, prometeu, arrancando aplausos da plateia.

                                    Inspirado pela força de vontade tantas vezes demonstrada pelo ex-governador Eduardo Campos, o prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), reforçou o compromisso da Frente Popular de manter as bandeiras levantadas pelo seu líder maior. O gestor destacou que a militância seguirá com energia nas ruas na defesa de um legado, que encontra em Paulo Câmara a representação do avanço nas transformações que Pernambuco vem vivenciando nos últimos anos. “Cada um de nós sabe como fazer. Cada um de nós tem o dever de fazer. Ninguém que está aqui dentro precisa perguntar o que deve fazer neste momento: dedicar-se à campanha para eleger Paulo governador”, disse Geraldo.

                                    Muito emocionado, o candidato a vice na chapa encabeçada por Paulo Câmara, Raul Henry (PMDB), pontuou que a Frente Popular encarna os sonhos e desejos do ex-governador Eduardo Campos, que trabalhou com afinco para devolver a Pernambuco uma posição de destaque no cenário nacional. O peemedebista frisou que as bases desse importante processo de mudança estavam fincadas nas demandas populares. “Os sonhos de Eduardo serão transformados em realidade pela vontade do povo”, disse Raul Henry. Também se revezaram nos discursos o candidato socialista ao Senado, Fernando Bezerra Coelho, os presidentes do PSB no Estado, Sileno Guedes, e no País, Roberto Amaral, e o governador João Lyra Neto, também do partido.

                                    Fotos: Aluísio Moreira, Wagner Ramos

                                    Compartilhe essa notícia:

                                      185 vagas em cursos gratuitos em Garanhuns, Paulista, Glória do Goitá e Recife

                                      Até domingo (24), o Senac, através do Programa Senac de Gratuidade (PSG), está com inscrições abertas para 185 vagas em cursos gratuitos nas cidades de Garanhuns, Paulista, Glória do Goitá e Recife. São oito cursos de diversas áreas como Imagem Pessoal, Gastronomia e Gestão, por exemplo. Entre as capacitações ofertadas estão: curso de Garçom, Cabeleireiro, Auxiliar de Cozinha, Cuidador de Idoso, Almoxarife, Auxiliar de Pessoal e Bartender. As vagas são destinadas para pessoas com renda familiar per capita de até dois salários mínimos, trabalhador empregado ou desempregado e  estudante matriculado ou egresso da educação básica. Além dos requisitos do PSG, o candidato deve atender aos pré-requisitos do curso escolhido.

                                      As inscrições são exclusivamente pela internet, no site do Senac www.pe.senac.br. Os candidatos deverão optar por apenas um curso e fazer somente uma única inscrição. O preenchimento das vagas obedecerá à ordem de inscrição. O resultado será divulgado no dia 25de agosto, no site da instituição. Após o resultado, os candidatos às vagas oferecidas no Recife devem efetuar a matrícula no dia 25 de agosto, enquanto nos demais municípios as matrículas se estendem pelos dias 25 e 26 de agosto. Dependendo do curso escolhido, as aulas já iniciam a partir do dia 26. O edital completo deste processo, com o cronograma, a distribuição de vagas entre os cursos e local de realização das aulas, está disponível no site do Senac www.pe.senac.br. Outras informações podem ser obtidas por meio do telefone 0800 081 1688.

                                      Compartilhe essa notícia:

                                        CHARGE: Política suja…

                                        Compartilhe essa notícia:
                                          background