CHARGE: Esqueceram do Aécio…

Compartilhe essa notícia:

    Sindicato dos Rodoviários confirma que não haverá novas paralisações até julgamento de dissídio

    Coletiva tem a presença do presidente dos rodoviários Benilson Custódio / Foto: Lorena Barros

    Em coletiva realizada na sede do Sindicato dos Rodoviários, em Santo Amaro, área central do Recife, na manhã desta segunda-feira (1º), o presidente eleito do sindicato Benilson Custódio, garantiu que não haverá novas paralisações até o julgamento do dissídio coletivo, que será realizado no próximo dia 8.

    Ainda de acordo com Benilson, a categoria aguardará a decisão tomada no dissídio para informar a realização de novas assembleias. Custódio afirmou, que uma nova reunião de conciliação entre patrões e rodoviários está marcada para esta terça-feira (2), ao meio-dia, na sala de sessões do tribunal pleno do TRT. Ainda há informações sobre o que será discutido na reunião, porém, de acordo com Custódio, no ultimo despacho divulgado pelo TST foi declarado que as paralisações realizadas pela Categoria não são ilegais.

    DECISÃO – No último dia 21, o TST havia suspendido provisoriamente o reajuste salarial de 10% concedido aos motoristas, cobradores e fiscais de ônibus na Região Metropolitana do Recife no dia 30 de julho. A medida causou protestos e paralisações de ônibus na Região Metropolitana do Recife. Cinco dias depois, o ministro Barros Levenhagem reconsiderou a decisão e manteve o reajuste salarial concedido em decisão do Tribunal Regional do Trabalho de Pernambuco (TRT-PE).

    Assim, ficam mantidos os pisos de R$ 1.765,50 para motoristas, R$ 1.141,69 para fiscais despachantes e R$ 812,13 para os cobradores. A decisão também inclui o tíquete-alimentação, diárias, auxílio-funeral e indenização por morte ou invalidez, restringindo o reajuste a 6% até pronunciamento definitivo da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST.

    Do JC Trânsito

    Compartilhe essa notícia:

      Aprovação do governo Dilma cai, mas situação é de equilíbrio em Pernambuco

      dilmaA aprovação do governo da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, diminuiu em Pernambuco desde a última pesquisa realizada pelo Instituto Maurício de Nassau (IPMN), no início de agosto, passando de 51% para 46%.

      Em consequência, a quantidade de pessoas que desaprova a gestão da petista cresceu de 40% para 47%. O número reflete também nas intenções de voto: ela caiu de 40% para 35%, ficando em segundo lugar, atrás da socialista Marina Silva (41%), candidata oficializada há duas semanas, após a morte de Eduardo Campos (PSB), em um acidente aéreo.

      O governo Dilma foi considerado regular por 31% dos entrevistados. De um lado, 24% afirmam que a gestão foi boa e 11% que foi ótima. De outro, 17% acharam ruim e outros 15% a classificaram como péssima.

      Enquanto 56% dos entrevistados com baixo grau de instrução – aqueles que não concluíram o ensino fundamental – aprovam o governo, 57% daqueles que têm graduação não aprovam.

      O Sertão é a região onde Dilma tem maior aprovação, de 59% dos entrevistados – e é também onde ela tem a maior intenção de votos, de 52%.

      É no Recife, onde Marina vence com maior disparidade (53% contra 24% da petista), que a presidente tem a maior desaprovação, calculada em 58%.

      Entre o eleitorado jovem, de 16 a 24 anos, mais da metade (57%) desaprova a gestão da petista à frente do Palácio do Planalto.

      Diante desses índices, não surpreende que a diferença entre os que querem votar na presidente e os que preferem um candidato de oposição seja pequena. Se 34% declararam que irão às urnas para manter a petista no poder, 39% afirmaram achar os adversários melhores.

      O percentual de entrevistados que estão indiferentes é de 18%.

      A grande maioria, entretanto, afirma que, se deixar o Palácio do Planalto, Dilma não deixará saudades – 47%, número igual ao dos que não aprovam o seu governo. Trinta e dois porcento dizem que ela deixará saudades e 17% são indiferentes.

      Coerente com os índices referentes a outros assuntos, a presidente não deixará saudades para 59% dos entrevistados no Recife, mas deixará para metade dos que são da região do São Francisco.

      LULA – Mesmo tendo transferido a faixa de presidente para a afilhada política há quase quatro anos, Lula (PT) ainda é lembrado pelos pernambucanos como responsável pelas mudanças para melhor no Brasil, consideradas por 55% dos entrevistados.

      O destaque da aprovação fica com os eleitores do Sertão do São Francisco, onde a taxa aumenta para 74%, provavelmente por causa de obras como a controversa transposição do Velho Chico.

      O líder petista foi classificado dessa forma por 66,2%. Dilma está atrás dele, com 24,4%, seguida por Eduardo Campos (PSB), apontado por 1,8% das pessoas, quando o assunto era melhorar o Brasil. No plano local, Eduardo Campos foi citado como o principal cabo eleitoral, de acordo com os primeiros números divulgados neste sábado.

      Compartilhe essa notícia:

        Tesoureiro diz que PT não tem dificuldade de caixa

        O coordenador do comitê financeiro da campanha de Dilma Rousseff Edinho Silva, nega que o PT esteja enfrentando dificuldades de arrecadação. Segundo ele, a tendência é de que o fluxo de dinheiro aumente em setembro, simultaneamente à intensificação da disputa eleitoral.

        Apesar de não prever dificuldades financeiras, Edinho diz ter mudado o modelo de compra de materiais da campanha, diversificado fornecedores, adotado sistema semelhante às concorrências públicas e, com isso, diminuído em até 30% o preço de alguns itens. “Vamos gastar menos do que o previsto”, afirma o tesoureiro, referindo-se ao teto e aos gastos apresentados à Justiça Eleitoral, de R$ 298 milhões.

        Na primeira parcial, referente à arrecadação de julho, o PT afirmou ter obtido R$ 10 milhões. “A arrecadação de agosto será maior que a de julho e espero que a de setembro seja igual à de agosto e que a campanha não necessite de mais recursos em função da redução de custeio que fizemos”, afirma Edinho, referindo-se ao balanço que precisa ser entregue até amanhã para a Justiça Eleitoral. O tesoureiro diz que não havia fechado os números que serão apresentados. A campanha de Marina Silva (PSB) diz o mesmo.

        Já o tesoureiro da campanha de Aécio Neves, o ex-ministro da Justiça José Gregori, afirma que a captação do tucano agora é quatro vezes maior do que na primeira etapa, quando conseguiu R$ 11,1 milhões. “Não será superior a R$ 60 milhões e não será inferior a R$ 40 milhões”, afirma Gregori. “Independentemente das pesquisas, tudo aquilo que se imaginava há dois meses está acontecendo.”

        Do Estadão

        Compartilhe essa notícia:

          Vice de Marina defende separação entre Estado e religião

          Cabeça de chapa e vice discordam sobre alguns assuntos / Foto: AFP

          A campanha da candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, vem intensificando esforços para desvincular a sua imagem de grupos religiosos mais conservadores da área evangélica. Neste domingo (31) durante ato de campanha no Parque Farroupilha, em Porto Alegre, o candidato a vice na chapa, deputado Beto Albuquerque, defendeu a laicidade do Estado e disse que o governo do PSB não irá privilegiar nenhuma religião. “Não podemos fazer um governo desta ou daquela religião. Precisamos fazer um governo para os brasileiros”, afirmou. “Nem a política deve mandar na religião, nem a religião na política. Temos que ser laicos.”

          As críticas ao que seria uma excessiva dependência da candidata em relação a grupos mais conservadores se intensificaram após ela ter prometido em seu programa a defesa de reivindicações do movimento gay e, menos de 24 horas depois, divulgar uma errata na qual recuava nas questões principais daquele capítulo. A decisão da candidata ocorreu após alguns pastores e políticos da bancada evangélica terem exigido que ela se retratasse, sob pena de perder os votos da comunidade evangélica.

          Em sua conta do Twitter, o pastor Silas Malafaia, destacado ativista contra as reivindicações do movimento de defesa dos direitos de gays, lésbicas, travestis e transexuais, afirmou que Marina, “a candidata membro da Igreja Evangélica Assembleia de Deus”, estava fazendo “uma defesa vergonhosa da agenda gay”. Em seguida, ameaçou: “Se Marina não se posicionar até segunda, na terça será a mais dura e contundente fala que já dei até hoje sobre um candidato a presidente”.

          PREOCUPAÇÃO – Marina divulgou a errata no sábado (30) atribuindo o que havia sido publicado – defesa clara do casamento gay e da criminalização da homofobia – a uma “falha processual na editoração do texto”. A mudança provocou críticas no movimento gay e fora dele. “A errata foi um banho de água fria, mas nós já sabíamos que, dos três candidatos que se destacam na pesquisas eleitorais, ela é a que sempre se manteve mais distante da população LGBT”, disse neste domingo o presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Carlos Magno. “O mais preocupante disso tudo, porém, é ver a candidata se distanciando de uma das grandes conquistas da democracia, que é o Estado laico”, afirmou.

          O escritor Milton Hatoum, um dos mais importantes ficcionistas brasileiros da atualidade, traduzido em várias línguas, anunciou publicamente ontem a retirada de seu nome de uma lista de personalidades, intelectuais e artistas que haviam declarado apoio à candidatura de Marina. “Não acredito em falha processual na editoração do texto. Foi uma falha moral. Uma falha de princípios éticos. Falha com os compromissos republicanos de um Estado laico”, disse o escritor ao jornal O Estado de S. Paulo. “Não quero eleger um presidente da República que seja refém de bancadas religiosas. Tenho pavor disso.”

          A campanha de Dilma aproveitou o episódio para classificar Marina como “uma evangélica fervorosa” em post publicado no Facebook no fim de semana.

          O ex-governador tucano Alberto Goldman, um dos coordenadores da campanha de Aécio Neves, a “errata” da campanha do PSB “é uma agressão à nossa inteligência”. Ele escreveu em seu blog que, ao excluir o apoio às propostas em defesa do casamento civil igualitária e de equiparação da discriminação baseada na orientação sexual e de identidade de gênero ao racismo, a ex-ministra do Meio Ambiente demonstrou “clara submissão a grupos que a apoiam, na linha da velha política”.

          AÇÃO CONJUNTA – Enquanto o vice de Marina tentava desvincular a candidata de grupos religiosos mais conservadores, o comitê LGBT da campanha divulgava uma nota na qual confirma a versão de que houve um erro na editoração do capítulo do que trata dos direitos dos homossexuais.

          Segundo o comitê, o que saiu publicado foi a pauta integral reivindicada pela base do PSB e representantes da Rede de Marina – e não o que havia sido aprovado pela coordenação política da campanha. “Não vamos aceitar que uma falha de diagramação desqualifique nosso debate pela construção de uma nova política” diz o texto. “Nossa luta é pela defesa do Estado laico e por um Brasil que respeite a todos.”

          A nota foi produzida após um longo e ruidoso processo de consultas internas, ao final do qual vários dos participantes disseram que não dariam entrevistas por orientação da campanha.

          Do Estadão

          Compartilhe essa notícia:

            PMDB já acena para a candidata Marina Silva, do PSB

            Foto: José Cruz/ABr

            Foto: José Cruz/ABr

            As chances efetivas de vitória de Marina Silva na eleição presidencial já levam a ala do PMDB que apoia a candidatura do senador Aécio Neves (PSDB) a dar como certa a adesão da legenda a um eventual governo seu. A avaliação desse grupo é a de que as chances de recuperação do tucano são difíceis e a perspectiva de poder hoje está com Marina.

            Isso faz com que a histórica divisão do PMDB ganhe novos contornos. Se antes da campanha o debate era levar ou não o partido a apoiar a reeleição de Dilma Rousseff, agora ele começa a se dar entre compor ou não com Marina e o momento em que essa sinalização deve ser feita.

            A cúpula peemedebista, responsável pelo apoio pró-Dilma e que tem em Michel Temer, Renan Calheiros e José Sarney seus expoentes, quer colocar a máquina do partido para derrotar Marina no 2.º turno. Em caso de vitória de Marina, esse grupo fala em dar os tradicionais 100 primeiros dias de trégua ao seu governo para, nesse período, aguardar os sinais da ex-ministra. Prevê, porém, uma relação hostil. Justamente por onde a outra ala planeja crescer. Geddel Vieira Lima, candidato ao Senado pela Bahia, tem interesse em liderar esse movimento.

            Os aecistas do PMDB, em processo de transfiguração para neo-marineiros, querem começar a emitir os sinais da adesão ao fechar das urnas do primeiro turno. Estão espalhados por Estados como Bahia, Ceará, Paraíba, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, prontos para deflagrar esse processo. “Marina já sinalizou que abrirá o diálogo com os políticos. Temos plenas condições de dar sustentabilidade e governabilidade a ela”, disse o vice-líder da bancada da Câmara, Danilo Forte (CE).

            Até mesmo peemedebistas egressos de Estados que apoiam Dilma avaliam que o PMDB estará com Marina se ela vencer. “O PMDB é um partido pragmático. Não teria problemas em se reposicionar e integrar a base de Marina”, disse Saraiva Felipe (MG), ex-ministro da Saúde do governo Lula.

            Além de derrotar Dilma, essa ala do PMDB pretende aproveitar o embalo para contestar Temer no comando da sigla. Afinal, é ele o maior avalista do acordo com o PT. Assim, a eleição de Marina resultaria em um reposicionamento interno de forças políticas na legenda.

            Jarbas Vasconcelos (PE) e Pedro Simon (RS) seriam os interlocutores naturais, uma vez que próximos a Marina. Mas o problema é que eles não têm força interna para, sozinhos, conduzirem o partido rumo a ela.

            Uma aposta é que os governadores eleitos pelo partido possam fazer essa intermediação, uma vez que há uma dependência financeira grande dos Estados em relação à União, o que torna a aproximação necessária.

            Nomes como os senadores Eduardo Braga (AM) e Eunício Oliveira (CE) e o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), que lideram as pesquisas eleitorais em seus Estados, são algumas opções. Entretanto, por motivos óbvios, a relação também terá necessariamente de passar pelo Congresso Nacional, onde o cenário hoje colocado para comandar as duas Casas é de dois peemedebistas conhecidos por jogar duro com o Palácio do Planalto: o senador Renan Calheiros (AL) e o líder do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha (RJ). Uma vez eleitos, o jogo terá de passar por eles.

            Do Estadão Conteúdo

            Compartilhe essa notícia:

              Para Lula, Marina era o ‘Pelé’ do ministério

              Seis anos antes de ser relançada à corrida pelo Palácio do Planalto e se tornar a maior ameaça à reeleição de Dilma Rousseff (PT), a então ministra do Meio Ambiente Marina Silva foi elogiada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva por sua “habilidade política” e “competência técnica”, justamente as áreas em que os petistas agora criticam a candidata do PSB. Lula chegou até mesmo a compará-la a Pelé quando ela deixou o ministério – e o governo – em maio de 2008.

              “A Marina provou que a sensatez, a habilidade política, o respeito às leis e a competência técnica podem trabalhar juntos, quando se instituiu a transversalidade no nosso governo e conseguimos fazer o projeto da rodovia possivelmente mais bem projetada, que foi a BR-163″,discursou Lula em 27 de maio de 2008, com Marina ao lado, ao dar posse ao seu sucessor, Carlos Minc.

              O elogio do presidente continuava: “(Marina) Soube fazer isso, também, quando conseguiu organizar o licenciamento para que pudéssemos fazer o processo de integração das bacias do São Francisco com o processo de revitalização.”

              As declarações de Lula na ocasião contrastam com o tom adotado agora por petistas – mais exatamente, desde que pesquisas de intenção de voto apontaram a ambientalista descolando-se do candidato do PSDB, Aécio Neves, e derrotando a presidente Dilma Rousseff em um eventual segundo turno. Sob condição de anonimato um ministro afirmou ao Estado que Marina foi “uma péssima gestora” e que bastaria avaliar “o que ela fez (no governo Lula) e o que atrapalhou a fazer”.

              CONTRADIÇÕES – No novo cenário, em que Marina aparece como favorita, a campanha de Dilma dedica-se a desconstruir sua imagem, questionando sua capacidade gerencial e recordando suas resistências de outrora a algumas obras de infraestrutura – um discurso diferente do proferido por Lula em 2008.

              “Lembro das brigas que criaram entre a Dilma e a Marina. Eram os desenvolvimentistas a qualquer custo contra os ambientalistas a qualquer custo. E eu, que participava das reuniões com as duas, não via a briga que eu lia no jornal”, comentou Lula. “(Eu) Olhava se, embaixo da minha mesa, tinha um pequeno anão que passava a notícia que eu não tinha discutido, porque não era possível.”

              Ao deixar o ministério, Marina dizia na carta de demissão que ia embora por encontrar dificuldades para “dar prosseguimento à agenda ambiental federal”. A demora de sua gestão para conceder licenças ambientais virou alvo de críticas e ela enfrentou seguidos embates com Dilma, que tinha pressa em fazer as obras andarem e era ministra-chefe da Casa Civil. Uma queda de braço foi a construção das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, em Rondônia. “Eu sei do tormento que você viveu, Marina”, afirmou na despedida o presidente, “porque não foram poucas as vezes em que conversamos. (…) No primeiro momento, tentou-se vender a ideia seguinte: Marina sai porque é ambientalista e Minc entra porque é desenvolvimentista”. E Lula concluía: “Nenhuma das duas versões é verdadeira”.

              COMO PELÉ – Habituado às comparações com o futebol, Lula associou a imagem de Marina, em seu discurso, à de Pelé. “Minc, sabe como é que eu me sinto aqui, hoje? Você está lembrado de um jogo, na Copa de 1962, quando o Pelé foi tirado de campo? Colocaram Amarildo e ele fez os dois gols brasileiros. Faz de conta que você está entrando no lugar do Pelé”, comparou Lula, acrescentando a dica final: Minc deveria lembrar que “o Pelé não era insubstituível”.

              Da Agência Estado

              Compartilhe essa notícia:

                Marina ganha R$ 1,6 milhão ao falar a bancos e empresas

                Marina_Novopartido_edferreira_estadaoA candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, realizou dezenas de palestras para as mais variadas instituições entre 2011 e 2014, com uma carteira de clientes que inclui grandes bancos, empresas e seguradoras.

                Após terminar a disputa da eleição presidencial na terceira colocação quatro anos atrás e deixar o Senado, em 2011, Marina abriu uma empresa em Brasília pela qual passou a receber por suas conferências.

                Entre abril de 2011 e maio deste ano, Marina ganhou R$ 1,6 milhão bruto com essas palestras, conforme revelou neste domingo 31, o jornal Folha de S.Paulo. Ela interrompeu as atividades de palestrante após lançar candidatura neste ano e negocia com o PSB receber uma remuneração mensal do partido, segundo sua assessoria de imprensa.

                Marina foi contratada por bancos, como Santander e Crédit Suisse pela multinacional Unilever e pela Federação Nacional das Empresas de Seguros Privados e de Capitalização (Fenaseg). Foi remunerada ainda por palestras na Argentina, Uruguai, Chile e Bolívia.

                Houve eventos em que ela não cobrou pela palestra, como numa conversa, meses atrás, com alunos do “Curso Estado de Jornalismo”.

                Faz parte do trabalho de Marina como palestrante se reunir com grupos pequenos de executivos do sistema financeiro e ser remunerada por isso. A assessoria de Marina afirma que o tema recorrente de suas palestras é a sustentabilidade.

                A lista completa de clientes não é divulgada pela candidata sob o argumento de que os contratos são confidenciais. É o mesmo procedimento usado por outros políticos que costumam ser remunerados por palestras, como os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva.

                O jornal O Estado de S. Paulo obteve os nomes de parte da carteira de clientes de Marina a partir de uma série de entrevistas no meio empresarial.

                VALORES – Os valores de cada palestra de Marina variam conforme o cliente. Da Fundação Dom Cabral, por exemplo, uma instituição privada de ensino de Minas Gerais, ela cobrou R$ 15 mil. O Conselho Federal de Contabilidade pagou R$ 33 mil a Marina.

                O Santander e o Crédit Suisse não revelam quanto pagaram pela palestra de Marina.

                Desde junho deste ano, quando se candidatou à Vice-Presidência da República na chapa de Eduardo Campos, Marina “mantém-se com a poupança acumulada até então” com o trabalho de palestrante, segundo sua assessoria de imprensa.

                APLICAÇÃO – A candidata, contudo, não declarou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter uma poupança. Confrontada com essa informação, a equipe de Marina afirmou que usou o termo “poupança” inadequadamente e que, na verdade, ela “mantém-se com o que dispõe em sua conta corrente.” Ao tribunal, Marina informou que tem R$ 27.920,58 na sua conta corrente.

                Em 19 de agosto, o marido de Marina Silva, Fábio Vaz de Lima, deixou o cargo de secretário adjunto do governo do Acre. Para que ela possa pagar suas despesas, “a campanha discute se haverá algum tipo de auxílio para o período até 5 de outubro”, informou a assessoria da candidata. Entre as contas mensais de Marina está o aluguel de R$ 4.200,00 da casa em que mora, em área nobre de Brasília.

                Ela também ocupa um apartamento quando está em São Paulo. Conforme a campanha, o imóvel foi emprestado pelo empresário Carlos Henrique Ribeiro do Vale e registrado no TSE.

                Na primeira vez que concorreu à Presidência, Marina declarou patrimônio de R$ 149.264,38. Em 2014, o valor caiu para R$ 135.402,38.

                Da Agência Estado

                Compartilhe essa notícia:

                  Rodoviários realizam coletiva de imprensa para esclarecer boatos sobre paralisações

                  O Sindicato dos Rodoviários do Recife e RMR marcou uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira (1º), para esclarecer as atividades do movimento e desmentir boatos a respeito do sindicato. O encontro será realizado na sede do Sindicato, localizado na Rua Araripina, no bairro de Santo Amaro, centro do Recife, com inicio previsto para às 10h.

                  Segundo o presidente do sindicato, Benilson Custódio, muitas informações vêm sido atribuídas à organização, mas sem veracidade. “Virou corriqueiro anúncios de assembleias e paralisações com o nome do sindicato, mas sem o nosso consentimento”, informou, lembrando que não há paralisações marcadas.

                  No último dia 21, o TST havia suspendido provisoriamente o reajuste salarial de 10% concedido aos motoristas, cobradores e fiscais de ônibus na Região Metropolitana do Recife no dia 30 de julho. A medida causou protestos e paralisações de ônibus na Região Metropolitana do Recife. Cinco dias depois, o ministro Barros Levenhagem reconsiderou a decisão e manteve o reajuste salarial concedido em decisão do Tribunal Regional do Trabalho de Pernambuco (TRT-PE).

                  Assim, ficam mantidos os pisos de R$ 1.765,50 para motoristas, R$ 1.141,69 para fiscais despachantes e R$ 812,13 para os cobradores. A decisão também inclui o tíquete-alimentação, diárias, auxílio-funeral e indenização por morte ou invalidez, restringindo o reajuste a 6% até pronunciamento definitivo da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) do TST.

                  O TST informou que o julgamento do recurso do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado de Pernambuco (Urbana-PE), que alegou não ter condições de arcar com as exigências dos rodoviários, será realizado no dia 8 de setembro.

                  Compartilhe essa notícia:

                    HPV: meninas de 11 a 13 anos devem receber segunda dose da vacina

                    Meninas de 11 a 13 anos que já receberam a primeira dose da vacina contra o papiloma vírus humano (HPV) devem receber, a partir desta segunda-feira (1º), a segunda dose. A imunização será feita em escolas públicas e particulares e também em unidades de saúde.
                    De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 4,3 milhões de meninas nessa faixa etária já receberam a primeira dose em março deste ano. A segunda é essencial para garantir a proteção contra o HPV.

                    A vacina protege contra quatro subtipos do HPV (6, 11, 16 e 18). Os subtipos 16 e 18 são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero, enquanto os subtipos 6 e 11 respondem por 90% das verrugas anogenitais.

                    Meninas que ainda não tomaram a primeira dose também podem procurar os postos de saúde. Para receber a segunda, basta apresentar o cartão de vacinação ou documento de identificação. A terceira dose será aplicada cinco anos após a primeira.

                    Em 2015, a vacina será oferecida para meninas de 9 a 11 anos e, em 2016, para meninas de 9 anos. O ministério reforçou a importância do uso do preservativo como proteção contra as demais doenças sexualmente transmissíveis e da realização do exame conhecido como papanicolau em mulheres a partir dos 25 anos.

                    O HPV é um vírus transmitido pelo contato direto com a pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Ele também pode ser transmitido da mãe para o filho no momento do parto. Estimativas da Organização Mundial da Saúde indicam que 290 milhões de mulheres em todo o mundo estão infectadas, sendo 32% delas pelos subtipos 16 e 18.

                    Em relação ao câncer de colo de útero, estudos apontam que 270 mil mulheres no mundo vivem com a doença. No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer estima o surgimento de 15 mil novos casos este ano.

                    Da Agência Brasil

                    Compartilhe essa notícia:

                      Prefeitura do Recife começa a cadastrar os estudantes que receberão passe livre

                      Imagem: divulgação/PCR

                      Começa nesta segunda-feira (1º) o cadastro dos 14 mil estudantes do 6º ao 9º ano da rede pública do Recife que receberão o VEM do Passe Livre e ganharão 70 passagens mensais no sistema de transporte público. O benefício começa a valer no dia 1º de outubro e os estudantes serão cadastrados gradualmente, no posto de atendimento do VEM na Boa Vista. É preciso levar CPF, certidão de nascimento ou documento de identificação com foto e comprovante de residência.

                      O posto de atendimento funciona de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 17h30. A unidade também vai abrir aos sábados exclusivamente para realização do cadastro. Pelo calendário da Prefeitura do Recife, neste primeiro dia devem se cadastrar 814 alunos de seis escolas da Zona Oeste.

                      Segundo a Secretaria de Educação, as unidades de ensino irão informar aos alunos quais os dias da realização do cadastro.

                      Ao todo, serão beneficiados estudantes de 36 escolas. Quem não fizer o cadastro até o dia 20, poderá fazer depois, mas não terá atendimento exclusivo e só vai receber o benefício em novembro.

                      A criação do passe livre municipal foi uma promessa de campanha do prefeito Geraldo Julio (PSB), que sancionou a lei que cria o benefício no dia 23 de julho. A Prefeitura do Recife prevê investir cerca de R$ 1 milhão por mês.

                      O VEM do Passe Livre poderá ser usado em todos os dias da semana, inclusive durante as férias escolares. Mas o uso é restrito a quatro viagens diárias e os créditos têm validade de 180 dias.

                      Além disso, a PCR informa que o benefício não será cumulativo. Ou seja, se os estudantes realizarem apenas 40 viagens durante o mês, terão recarregado apenas essas 40, voltando a totalizar 70 créditos.

                      Periodicamente, o Grande Recife Consórcio de Transporte, que administra as linhas de ônibus de toda a Região Metropolitana, irá enviar relatórios para controle da prefeitura.

                      Compartilhe essa notícia:

                        Dilma lidera rejeição em Pernambuco. Marina vence em confiança e admiração

                        dilma e marinaComo era de se esperar, depois de um natural desgaste de 12 anos do PT no poder, a presidente Dilma lidera em rejeição, de acordo com os números levantados pela pesquisa de opinião do Instituto Nassau.

                        Com 12% das citações, Aécio Neves, mesmo não estando no governo, tem a metade da rejeição de Dilma.

                        Em uma situação confortável, a candidata socialista Marina Silva tem uma rejeição bastante baixa, de menos de um dígito (8%). Pastor Everaldo tem 3% de rejeição.

                        A situação não é definitiva, faltando pouco mais de um mês para o pleito. Nesta semana que entra, a pancadaria sobre Marina deve crescer, com a tentativa de desconstrução de quem está em ascensão.

                        Um total de 17% dos entrevistados disse que não sabia ou não responderia.

                        Para 29%, nenhum deles foi citado como motivo de rejeição. O trabalho dos marqueteiros nestas semanas será jogar os adversários contra estas pessoas aqui.

                        A maior rejeição de Marina (28%) verifica-se entre os mais jovens, de 16 a 24 anos. Ela é menor (21%) entre os mais velhos, entre 45 a 59 anos.

                        Por grau de instrução, a rejeição eleva-se entre os que tem grau superior (39%), enquanto a menor rejeição (20%) ocorre entre o grupo que tem apenas até a terceira série fundamental.

                        No quesito renda, a rejeição é maior entre os mais ricos (38%), entre os que tem mais de cinco salários mínimos. E menor entre os mais pobres (22%), com até um salário mínimo.

                        Por região, a sua rejeição é maior na RMR (28%) e na capital (26%) do que nos grotões do Estado.

                        Marina Silva bem avaliada

                        A rejeição de Marina é maior entre os mais ricos (12%) e menor entre os mais pobres (8%), com renda de um a dois salários mínimos. Por região, a sua rejeição é baixa em todas, elevando-se um pouco no Agreste (12%). A mais baixa rejeição ocorre no Recife, com uma taxa de 5% dos entrevistados.

                        Não por outro motivo, na pesquisa, a ex-ministra do Meio Ambiente é citada como a mais preparada (38), a que inspira maior confiança (37%) e que é a mais admirada (37%).

                        Bate Dilma e Aécio nos três quesitos, com a diferença que a presidente tem taxas próximas (37%, 33% e 33%, respectivamente, enquanto o tucano fica lá atrás (4%, 3% e 3%, respectivamente).

                        Do blog de Jamildo

                        Compartilhe essa notícia:

                          Dilma é a candidata mais conhecida em Pernambuco, mostra pesquisa da Nassau

                          dilma-572x381Em queda nas intenções de voto, a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição e afilhada política do líder petista Lula (PT), é, entre todos os postulantes ao Palácio do Planalto, a mais conhecida em Pernambuco.

                          O dado é do levantamento realizado pelo Instituto Maurício de Nassau (IPMN), encomendado pelo Portal Leia Já e publicado em parceria com o Jornal do Commercio nesta segunda-feira (1º).

                          Entre os entrevistados, 64% dos que foram questionados responderam que a conhecem muito bem e apenas 2% nunca ouviram falar sobre ela.

                          Embora tenha passado Dilma nas intenções de voto, Marina Silva (PSB) não é tão conhecida. O índice que declararam conhecê-la pouco foi de 42%, pouco mais dos 41% que afirmaram conhecê-la muito bem. Catorze por cento nunca ouviram falar sobre ela. O número não é ruim, ao contrário. Significa que a sua imagem pode ser trabalhada entre as pessoas que pouco a conhecem, resultando em mais intenções de voto.

                          O senador Aécio Neves (PSDB), com 3% das intenções de voto, é pouco conhecido por 54%, mas 27% disseram não saber quem ele é e apenas 15% o conhecem bem.

                          Há ainda oito candidatos à Presidência da República, todos com taxas de desconhecimento próximas a 80%.

                          Compartilhe essa notícia:

                            ARTIGO: Primeiros passos para a delinquência…

                            Por Pedro Cardoso da Costa – Interlagos/SP
                            Bacharel em direito

                            Como se formam os conceitos a gente nunca sabe ao certo. Conceito se constitui, não vem pronto. Perdurou, no Brasil, um tratamento às crianças como se fossem pessoas secundárias ou que não merecessem atenção. Por longo tempo, os relatos de agressões eram constantes, com surras impiedosas. Até hoje a criançada sofre nas mãos de alguns pais sem escrúpulos. Mas, antes, a sociedade aceitava com tranquilidade que os pais massacrassem seus pupilos, sem nenhum direito à reação, em nome do inquestionável pátrio poder.

                            Com a recente aprovação da chamada lei da palmada, a discussão sobre a agressão de pais voltou à tona, com grande parte defendendo esse direito. Para amenizar, passaram a chamar palmadinha. Qualquer tapinha, palmadinha é agressão; é violência. Ponto.

                            Com o passar do tempo, os pais mudaram da agressividade selvagem para a permissividade banal aos filhos. Foi uma longa caminhada de erros, compensações e muitas distorções.

                            Tornou-se clichê a frase “quero dar aos filhos tudo que os meus não me deram ou não tive”. Também virou ditado popular a frase “não tenho um pai, tenho um amigo”. Ótimo, não fossem relações diferentes. Por princípio, um bom pai necessariamente é um bom amigo. Quase sempre o desempenho desses papéis devem ser separados.

                            Houve tanta confusão nessa transição que o amigo se tornou sinônimo de cupincha, e o pai passou a ser pau-mandado.

                            O pai que obrigava o filho a ir à escola, agora deixa ir quando quer; deixou de exigir o respeito aos mais velhos – para a maioria, os mais novos não precisam de respeito; deixou a criançada substituir o senhor e a senhora por meu “veio” e minha “veia”. Isoladamente, tratamento é secundário, mas é fundamental no conjunto da formação.

                            Estudar deve ser encarado como obrigação natural, sem as opções “querer ou deixar de querer”. Não um convencimento meloso ou melancólico. Mas um trabalho voltado a valorizar o estudo e a aprendizagem desde criancinha. A criança se convenciona a ir ao colégio, assim como se escova os dentes, toma banho, sem o gostar ou desgostar.

                            Quando os pais, para serem amigos, deixam os filhos substituírem a escola pela rua, o dever pelo “videogame”; estão a caminho da conclusão dessa narrativa. Caso parem por aqui, formarão filhos mimados, sem referências, mal-educados, pessoas apenas desagradáveis. Somando-se outros poucos ingredientes, a delinquência está a um passo.

                            A essa altura os pais já estão totalmente dominados, a família logo será, os vizinhos se tornam incômodos e a gana de subjugar o mundo se torna a meta do bebê mimado. Nesse ponto a árvore está pronta, o caminho são as desculpas, as justificativas, a alegação de que deu tudo, mas se esqueceu de dar formação, o principal erro.

                            Como todo mundo tem acesso à internet, podem consultar alguns comportamentos que, em regra, intitulam de “como criar um delinquente”. E sobre as diferenças de formação de filhos, o livro “Crianças francesas não fazem manha”.

                            Compartilhe essa notícia:

                              Em Jaboatão, Zé Gomes critica baixo índice de saneamento

                              Zé Gomes Psol

                              O candidato do PSOL ao governo de Pernambuco, Zé Gomes, participou neste sábado (30/08) de caminhada no Centro de Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana. Ao lado do candidato a deputado estadual Cesar Ramos e de militantes do partido, Gomes percorreu a Praça do Rosário e feira livre, onde conversou com a população sobre os problemas do município, em especial sobre a precariedade no saneamento básico.

                              De acordo com levantamento realizado pelo Instituto Trata Brasil, com dados do Sistema Nacional de Informações sobre saneamento, Jaboatão é a terceira cidade do país com o pior índice de saneamento, com apenas 55,29% da população atendida com água potável e apenas 6,5% com esgoto coletado.

                              “Infelizmente não é surpresa a situação de Jaboatão em relação ao saneamento. O abandono da segunda maior cidade do Estado pelo poder público mostra que dar condições de vida dignas às pessoas não tem sido prioridade”, afirmou Gomes.

                              Compartilhe essa notícia:

                                Carnaíba abraça caminhada de Paulo Câmara

                                Carnaíba abraça caminhada de Paulo Câmara

                                Sétimo município do Sertão do Pajeú a recebeu a Caravana da Frente Popular neste último sábado (30), Carnaíba foi palco de uma das caminhadas vibrantes da campanha de Paulo Câmara (PSB) ao Governo do Estado. A população local fez questão de esperar o socialista na entrada da cidade para, com muito entusiasmo, acompanhá-lo até a praça central que abrigou o comício, que reuniu lideranças de toda a região. Em seu discurso, Paulo frisou que esse engajamento popular se deve ao reconhecimento de sua capacidade de avançar nas conquistas acumuladas nos últimos anos.

                                “Carnaíba é a sétima cidade em que eu e meu companheiro de chapa, Fernando Bezerra Coelho (PSB/senador), visitamos hoje. Em todos, fomos tratados com muito carinho. Esse reconhecimento de que somos os candidatos escolhidos por Eduardo nos deixa muito mais animados. É o reconhecimento de que nós podemos honrar o legado que ele nos deixou. E eu vou honrar Eduardo”, assegurou.

                                No entanto, Paulo destacou que a sua “missão” vai além de continuar a obra de Campos. “Meu compromisso é maior do que o de seguir o caminho iniciado por Eduardo. O meu compromisso é o de avançar, de promover ainda mais melhorias em Pernambuco”, afirmou, sendo muito aplaudido pelos populares que estavam na praça central de Carnaíba.

                                Com a autoridade de quem acumula experiência na gestão pública, o ex-ministro Fernando Bezerra Coelho ressaltou que a escolha do ex-governador Eduardo Campos por Paulo foi fundamentada na capacidade demonstrada pelo candidato da Frente Popular. “Eduardo o ensinou, orientou-o e sabia que Paulo Câmara estava pronto para governar Pernambuco”, destacou Fernando.

                                Antes de aportar em solo carnaibense, Paulo comandou expressivas carreatas nos municípios de Tabira, Santa Terezinha, Tuparetama e Itapetim. Em todas elas, a população recebeu o socialista muito bem. Câmara foi apontado por muitos moradores que se posicionavam nas janelas de suas residências como aquele que teve a honra de receber a benção do ex-governador Eduardo Campos para representar a Frente Popular na sucessão estadual deste ano.

                                Compartilhe essa notícia:

                                  Armando prestigia romaria de Frei Damião, em São Joaquim Monte

                                  Armando prestigia romaria de Frei Damião, em São Joaquim Monte

                                  Dando continuidade à agenda de campanha neste domingo (31), Armando Monteiro (PTB), candidato a governador de Pernambuco, prestigiou a romaria de Frei Damião, tradicional celebração religiosa do município de São Joaquim do Monte, no Agreste do Estado. Ao lado do senador Humberto Costa (PT), do presidente da Agência Reguladora de Pernambuco (Arpe), Roldão Joaquim, de prefeitos e lideranças políticas da região, Armando foi bastante cumprimentado pelos fiéis.

                                  Para Armando, que visita a romaria pela quinta vez, é um momento para renovar a fé, elevar as preces e celebrar a esperança. “Eu venho todos os anos e faço isso com muita satisfação”, destacou o petebista. Em um dos momentos, o pároco Pedro Antônio Filho, idealizador da romaria, aproveitou para abençoar o candidato.

                                  A romaria de Frei Damião ocorre há 21 anos e celebra a memória de uma das referências católicas do Nordeste. Todo ano, mais de 160 mil fiéis, de várias regiões do Estado, visitam a imagem do frei para renovar a fé e se confessar na Paróquia de São Joaquim, a principal da cidade.

                                  Compartilhe essa notícia:

                                    PM reage a assalto e mata suspeito em Itamaracá

                                    Violencia 2011

                                    Um policial militar e sua família foram mantidos reféns por alguns instantes em Itamaracá, Litoral Sul de Pernambuco, na manhã deste domingo. O Soldado Franco (só esse nome foi informado) estava em sua casa de praia, no bairro da Baixa Verde, quando foi surpreendido por dois assaltantes, que renderam sua família. 

                                    Segundo a Polícia Militar, o soldado do 13º Batalhão reagiu e conseguiu atingir um dos suspeitos, que morreu no local. O outro assaltante fugiu e está sendo procurado pela polícia. O caso está sendo acompanhado pela Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

                                    Do Diario de Pernambuco

                                    Compartilhe essa notícia:

                                      CHARGE: Caro eleitor…

                                      Compartilhe essa notícia:

                                        A um mês das eleições, candidatos recebem título de cidadãos recifenses na Câmara

                                        Antônio Moraes é candidato a deputado estadual mais uma vez e recebeu o título. Foto: Divulgação

                                        Nos últimos dias, faltando pouco mais de um mês para as eleições, dois candidatos a deputado estadual receberam títulos de cidadãos recifenses na Câmara Municipal da capital pernambucana. O primeiro foi Antonio Moraes (PSDB), nessa quarta-feira (27), a pedido do ex-vereador João Arraes (PSB), na legislatura passada. Dois dias depois, na sexta (29), foi a vez do presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), Guilherme Uchoa (PDT), por proposta de Eduardo Marques (PTB).

                                        Uchoa, no quarto mandato consecutivo à frente da Alepe, é amigo do vereador petebista. Na entrega do título, Marques citou a Bíblia. Apesar da amizade dos dois e da união dos seus partidos no plano estadual, na chapa formada por Armando Monteiro Neto (PTB) e Paulo Rubem Santiago (PDT) para o Governo de Pernambuco, o presidente da Assembleia foi uma das lideranças do PDT que declararam apoio a Paulo Câmara, adversário da chapa da sua legenda.

                                        Aos 67 anos e nascido em Timbaúba, na Zona da Mata, o deputado estadual está no quinto mandato no cargo. É cidadão de Olinda, Abreu e Lima, Igarassu, Itapissuma, Riacho das Almas, São Joaquim do Monte e Agrestina.

                                        O título de Antonio Moraes foi entregue pelo vereador Henrique Leite (PT), em nome do parlamentar que havia feito a proposição na legislatura anterior. Em seu discurso, o petista afirmou que o deputado é “um homem ético, de tal forma que preferiu não receber o título em 1996 porque era candidato”. Dezoito anos depois, no entanto, volta a tentar se manter na Alepe, mas aceitou a homenagem.

                                        A vida política do tucano começou em Macaparana, município da Zona da Mata onde nasceu. Antonio Moraes é neto de Anita Moraes, primeira mulher a ocupar cargo de prefeita no Estado, e ocupou cargos nos governos de Marco Maciel e Miguel Arraes. O parlamentar está no quarto mandato na Alepe.

                                        OUTRO TUCANO – O candidato a presidente pelo PSDB, o mineiro Aécio Neves, veio ao Recife em junho para receber o título de cidadão recifense. Mesmo estando a quatro meses da votação, aproveitou o espaço na tribuna da Casa José Mariano para discursar e fazer campanha, mesmo que não oficialmente. O candidato convidou, por exemplo, a “construir um novo Brasil” e usou o microfone para fazer críticas à gestão de Dilma Rousseff (PT).

                                        Compartilhe essa notícia:
                                          background